Por que nem todos vereadores de Caxias do Sul assinam o projeto antinepotismo? - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante17/07/2019 | 13h52Atualizada em 17/07/2019 | 14h17

Por que nem todos vereadores de Caxias do Sul assinam o projeto antinepotismo?

Proposta atinge Executivo e Legislativo

Por que nem todos vereadores de Caxias do Sul assinam o projeto antinepotismo? Gabriela Bento Alves/Divulgação
Foto: Gabriela Bento Alves / Divulgação

Chama atenção o fato de nem todos os vereadores de Caxias terem assinado o projeto de emenda à Lei Orgânica na Câmara de Caxias do Sul contra o nepotismo no Executivo e Legislativo. Por que não conta com a adesão de todos?

A bancada do PSB na Câmara protocolou no final de maio o projeto que prevê que os cargos em comissão (CCs) não podem ser ocupados por cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, do prefeito, do vice-prefeito, do procurador-geral e dos secretário municipais. Também pretende proibir a contratação de parentes de presidentes e diretores de autarquia, fundação, empresa pública ou de economia mista e empresas de direito privado onde o município é acionista majoritário. O texto ainda proíbe a nomeação de CCs parentes de vereadores no Legislativo, na prefeitura e na administração indireta.

Dezoito assinaram o projeto inicialmente. O vereador Renato Nunes (PR) foi o único que não foi procurado, segundo a assessoria do PSB, que idealizou a proposição. 

Leia mais
Bancada do PSB na Câmara de Vereadores de Caxias quer votar projeto antinepotismo em até 30 dias
Protocolado na Câmara de Vereadores de Caxias projeto antinepotismo 

Adiló Didomenico (PTB), que recentemente fez discurso forte criticando o "compadrio" no Governo Daniel Guerra, não assinou a proposição. O vereador pregou moral e na hora de mostrar que tem visão contra o apadrinhamento de parentes não se comprometeu. Vale lembrar que ele tem intenção de concorrer a prefeito. A possível companheira de chapa do petebista, Paula Ioris (PSDB), também não assinou. Tatiane Frizzo (SD) foi outra que não aderiu. Flavio Cassina (PTB), por ser presidente da  Casa, não pode assinar.

Como a proposta precisou de adequações, teve que ser refeita e coletadas novas assinaturas. Atualmente, são 13, mas quem aderiu na primeira busca por assinaturas, obviamente, deverá referendar o projeto. 

Leia também  
Arquivamento do caso do "corretivo" depende do plenário da Câmara de Caxias
Sergio Moro acusa imprensa de ser contra a Lava-Jato
Defesa diz que vereador Catafesta não sai de Comissão de Ética
Presidente Bolsonaro faz defesa do presente para seu filho
Lideranças do PDT e PSB de Caxias do Sul analisam punição para deputados
O interesse do PSL em Caxias para a eleição municipal de 2020 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros