Ex-prefeito de Caxias também esteve em missa para ato político - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante29/07/2019 | 20h59Atualizada em 29/07/2019 | 21h24

Ex-prefeito de Caxias também esteve em missa para ato político

Foi para a entrega da lei que cria os Caminhos do Padre João Schiavo

Ex-prefeito de Caxias também esteve em missa para ato político Alexandra Baldisserotto/Divulgação
Em 2016, o então prefeito Alceu Barbosa Velho entregou a lei que cria os Caminhos do Padre João Schiavo durante primeira missa no memorial Foto: Alexandra Baldisserotto / Divulgação

Tem provocado muitas reações o uso da Igreja Católica, em Caxias do Sul, para atos políticos.

Crítico da presença do prefeito Daniel Guerra (PRB) e equipe de governo na Igreja Matriz de Fazenda Souza na quarta-feira passada (24), quando foi assinada a ordem de início do asfaltamento da Estrada Municipal Patrício Pasquali, o ex-prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) também já esteve em missa para divulgação de atividade relacionada à administração (no mínimo, uma vez), embora sem contar com equipe de governo no altar.

Leia mais  
Atos políticos devem ser evitados em missas em Caxias do Sul
"O dia em que o altar virou palanque", critica ex-prefeito de Caxias do Sul
Vereador diz que prefeito de Caxias "se esconde atrás de frei Jaime"
Em meio à polêmica das bancas de revistas, prefeito de Caxias vai à igreja  

Em 27 de outubro de 2016, conforme material da assessoria de imprensa do então Governo Alceu, ele entregou à comunidade de Fazenda Souza a lei que cria os Caminhos do Padre João Schiavo (proposta do vereador Gustavo Toigo, também do PDT, aprovada pela Câmara de Vereadores).

"O ato ocorreu durante a primeira missa no Memorial do Padre, após o anúncio da sua beatificação pelo Vaticano", diz o texto da prefeitura divulgado na ocasião. O local guarda os restos mortais do padre Schiavo. "Após a cerimônia, o prefeito entregou cópia da lei ao padre-geral da Congregação dos Murialdinos, Mario Aldevane", prossegue o texto da assessoria.

Alceu aparece de microfone em punho, falando aos participantes da celebração. O segundo turno da eleição foi em 30 de outubro.

Na sexta-feira passada, o ex-prefeito escreveu em seu Twitter: "Fico impressionado com a falta de postura (vergonha) da administração e a conivência da Igreja Católica! O dia que o altar virou palanque! Quem diria?!"

Pois é, os dois são casos de atos políticos.

Visibilidade pré-eleitoral

 Presidente da Festa da Uva de 2016, Edson Nespolo (PDT), participou da liturgia na missa celebrada pelo padre Elói Sandi, na Capela Santa Teresa, localizada na Réplica de Caxias do Sul no Parque de Eventos da Festa da Uva.
Foto: Rafael Lopes / Divulgação

Também vale lembrar que, em 2016, ano em que sairia candidato a prefeito pelo PDT, Edson Néspolo, presidente da Festa da Uva, ganhou visibilidade participando da missa celebrada pelo padre Elói Sandi, na Capela Santa Teresa, localizada na Réplica de Caxias do Sul, no Parque de Eventos da Festa da Uva. Néspolo, Alceu e o então vice-prefeito Antonio Feldmann (à época no MDB, e que se tornaria novamente candidato a vice) participaram da liturgia, lendo trechos da Bíblia e as preces.

Ao final, todos cantaram "Mérica, Mérica".

Muitos dirão que, durante a campanha eleitoral, praticamente todos os políticos participam de missas, cultos e outras celebrações religiosas. Ok. Porém, aí o objetivo é transparente.

Leia mais
Prefeitura se articula para reverter liminar que impede mudança de Caxias para as Hortênsias
Exploração da publicidade da prefeitura no transporte coletivo em Caxias pode sofrer alteração
"Esse governo é uma fábrica de polêmicas", afirma possível candidato a prefeito de Caxias


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros