O significado do silêncio de Mourão à imprensa na solenidade em Bento Gonçalves - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante14/06/2019 | 17h56Atualizada em 16/06/2019 | 13h12

O significado do silêncio de Mourão à imprensa na solenidade em Bento Gonçalves

O filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, também estava

O significado do silêncio de Mourão à imprensa na solenidade em Bento Gonçalves Lucas Amorelli/Agencia RBS
Governador Eduardo Leite, vice-presidente da República, Hamilton Mourão, presidente do CIC de Bento, Elton Gialdi, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A abertura da Expobento e da Fenavinho, em Bento Gonçalves, nesta sexta-feira, não teve a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), mas contou com nomes expressivos do poder. Além do vice Hamilton Mourão (PRTB), estava o filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). É amplamente conhecida a influência dos filhos de Bolsonaro no governo. 

Leia mais  
"Muitos terão que trabalhar do nascer até o túmulo", diz Mourão, sem a nova Previdência
Vice-presidente da República participa de abertura da Expobento e Fenavinho

Como as opiniões sempre podem provocar tsunamis — e as falas de Mourão geralmente têm repercussão explosiva —, ele não concedeu entrevista à imprensa, optando apenas pelo discurso oficial na solenidade de abertura. Ficou um vazio por parte do representante do Planalto, principalmente diante das notícias divulgadas pelo site The Intercept Brasil das conversas entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da força-tarefa da Lava-Jato, Deltan Dallagnol, que têm agitado os meios políticos.

O silêncio de Mourão foi um recado claro. É importante lembrar que o vice-presidente tem sido alvo de bombardeios justamente por parte dos filhos do presidente, em especial de Carlos, vereador do Rio de Janeiro. 

Eduardo Bolsonaro foi quem falou à imprensa sobre o vazamento das conversas entre Moro e Dallagnol. Seguindo o discurso pronto, minimizou o conteúdo, dizendo que "não tem nada de mais". Ao mesmo tempo, em Brasília, o presidente afirmava que a possibilidade de exonerar Moro é zero e que "não houve maldade" nas mensagens trocadas com o procurador. 

É o governo tentando passar à população a ideia de que tudo vai bem. (Com André Tajes)

Leia também  
Saiba quem são e quanto ganham os CCs de deputados da Serra
A inauguração da UBS, em Caxias, no centro da divergência política 
Bandeira do Brasil na frente da prefeitura de Caxias desperta curiosidade
Câmara aprova requerimento com 12 questões sobre serviço de fisioterapia em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros