Ex-presidente do PRB de Caxias do Sul contesta declarações do atual - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante09/06/2019 | 15h55Atualizada em 09/06/2019 | 15h55

Ex-presidente do PRB de Caxias do Sul contesta declarações do atual

O advogado Heron Fagundes demonstra não ter gostado das declarações de seu sucessor Júlio César Freitas da Rosa

Ex-presidente do PRB de Caxias do Sul contesta declarações do atual Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A mudança no comando do PRB caxiense anunciada no mês passado, com o secretário da Saúde, Júlio César Freitas da Rosa, assumindo a presidência, parece ter deixado sequelas no partido do prefeito Daniel Guerra. O advogado Heron Fagundes, que presidiu o PRB por três anos e meio, demonstra não ter gostado das declarações de seu sucessor quanto à situação legal envolvendo a sigla na cidade. Heron disparou 20 tuítes nesta sexta-feira, contestando declarações de Freitas da Rosa ao Pioneiro, de que a executiva municipal do PRB foi extinta pela Justiça Eleitoral em fevereiro de 2019 por não ter sido entregue a prestação de contas do exercício de 2017. 

O ex-presidente do PRB lembra que sob seu comando na executiva, foi eleito na maior cidade do interior do Estado o prefeito e dois vereadores. 

– O PRB nunca alcançou este resultado – frisa.

Em tom de desafio, escreveu:

– Tenho a certeza que o presidente Júlio da Rosa, no comando do partido, superará os resultados que alcançamos até este momento dentro do PRB em Caxias do Sul.

Ou seja, deverá reeleger o prefeito e fazer mais de dois vereadores. No mínimo.

Heron admite que a prestação de contas foi entregue com atraso, mas diz que não trouxe prejuízo ao partido e aos filiados, tendo sido cumpridas as exigências legais. Diz que mantendo-se a omissão, poderia haver suspensão do diretório até a apresentação das contas.

– Vejam que existe uma diferença gritante entre extinção e suspensão de diretório municipal, sendo que posso afirmar, categoricamente, que o PRB de Caxias do Sul jamais foi suspenso ou extinto das suas atribuições pelo TRE – completou Heron.

Ele afirma que a mudança se deu pela autonomia assegurada na Constituição Federal aos partidos para definir sua estrutura interna e estabelecer regras sobre escolha, formação e duração de seus órgãos permanentes e provisórios.

Exposição desnecessária

Heron prossegue dizendo que “é desnecessária a exposição sustentada no equívoco pelo presidente Júlio da Rosa, envolvendo toda uma executiva, que tinha como vice-presidente o próprio prefeito Daniel Guerra, que sempre se posicionou pela legalidade.”

– Na função de presidente, fui responsável pelas estratégias de campanha, articulação política e candidatura do prefeito, além de ter atuado como coordenador de Reestruturação do Governo, de forma voluntária. Fui também advogado nos casos de pedidos de impeachment – lembra.

A caminho da preparação para a disputa eleitoral de 2020, o clima não anda tranquilo e favorável entre os republicanos.

Leia também:
Os dias sabáticos de José Ivo Sartori
Prefeitura de Nova Petrópolis paga 1ª parcela do 13º salário
Prefeito Daniel Guerra e chefe de Gabinete vão a Brasília na segunda-feira

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros