A inauguração da UBS, em Caxias, no centro da divergência política - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante13/06/2019 | 21h14Atualizada em 13/06/2019 | 21h21

A inauguração da UBS, em Caxias, no centro da divergência política

Em outros tempos, sem medo de dividir holofotes, prefeitos convidavam antecessores para solenidades

A inauguração da UBS, em Caxias, no centro da divergência política Andressa Boeira/Divulgação
UBS Cristo Redentor será inaugurada às 16h desta sexta-feira (14) Foto: Andressa Boeira / Divulgação

Será inaugurada nesta sexta-feira (14), às 16h, pelo prefeito Daniel Guerra (PRB), a Unidade Básica de Saúde (UBS) Cristo Redentor. O atendimento começa, porém, já às 7h30min. Com esta inauguração, completa-se a abertura das três unidades que tiveram a entrega questionada pelo Ministério Público em função da demora (as outras foram a do Reolon e a do São Vicente). 

Leia mais  
Ministério Público cobra prefeitura para colocar em funcionamento UBS do bairro Cristo Redentor em 45 dias 

Especificamente sobre a UBS Cristo Redentor, a prefeitura diz que a obra estava em andamento quando Guerra assumiu e que para colocar o serviço em funcionamento é preciso de equipamentos, móveis, insumos e servidores. O secretário da Saúde "em férias", Júlio César Freitas da Rosa, conforme informações enviadas à imprensa, diz que a administração anterior não encaminhou as licitações necessárias para isso, nem previu recursos no orçamento de 2017. 

A UBS Cristo Redentor é a principal bandeira do vereador Rafael Bueno (PDT), morador do bairro. As cobranças para a abertura foram constantes durante estes dois anos e meio de governo. Chegou a surgir a suspeita de que a UBS não teria sido aberta em função da relação do vereador com a obra.

Nesta quinta-feira, na sessão da Câmara, Rafael fez uma retrospectiva sobre sua luta pela concretização da UBS ao lado da comunidade e de presidentes de bairros. A primeira reunião foi em 2009. A assinatura da ordem de início ocorreu em 2015 no Governo Alceu Barbosa Velho (PDT).

O vereador, que foi presidente do bairro Cristo Redentor aos 17 anos, classifica a inauguração como o marco mais importante em sua trajetória política e uma conquista árdua da comunidade. Em abril de 2018, ele ingressou com pedido pela abertura junto ao Ministério Público, contendo mais de 4 mil assinaturas.

Rafael não esconde a mágoa. Se emocionou na sessão, dizendo que a população do bairro, que lutou pela obra, não foi convidada. 

É fato que as fortes divergências políticas colocam uma barreira na relação entre governo municipal e vereadores. Não deveria ser desta forma. Em outros tempos, sem medo de dividir holofotes, os prefeitos de Caxias convidavam antecessores para participar de solenidades de inauguração de obras iniciadas em suas gestões. As críticas, os embates, as diferenças político-partidárias também existiam, mas havia civilidade política.

Críticas

Apesar das críticas ao Governo Guerra, Rafael Bueno também expôs situações envolvendo o Governo José Ivo Sartori (MDB). Chamou a então secretária da Saúde, Maria do Rosário Antoniazzi, de mentirosa. E reclamou de seu ex-partido, o PCdoB. 

O vereador afirmou que Maria do Rosário foi a uma reunião do Orçamento Comunitário e mentiu, dizendo que a UBS teria até piscina. Sobre o PCdoB, que fazia parte do Governo Alceu, disse que o presidente Déo Gomes nunca abriu as portas para falarem da UBS e esse foi um dos motivos de sua saída da sigla.

"Não vai se não quiser"

A manifestação do pedetista, naturalmente, não passou em branco. Renato Nunes (PR) afirmou que o Legislativo foi convidado por meio do presidente da Casa, que delegou ao presidente da Comissão de Saúde, Renato Oliveira (PCdoB), a representação. Segundo Nunes, um convite — lido por ele — foi distribuído em todo o bairro.

— O senhor tem, meu querido, total liberdade, como vereador e um representante deste Legislativo, de participar da inauguração. O senhor só não vai se não quiser. Mas se for o problema, eu posso entregar um convite em mãos para o senhor com um papel dourado, com uma fitinha vermelha, com um "topezinho".

O governista debochou, dizendo que Rafael deveria ter se colocado à disposição para ir no lugar de Renato Oliveira. E diante do fato de a obra estar sendo inaugurada por Guerra, acrescentou: "Se bateu uma inveja, se bateu um ciúmes, não posso fazer nada".


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros