Novo comando do PDT caxiense faz indicativo de Alceu na disputa à prefeitura de Caxias em 2020 - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante20/05/2019 | 07h15Atualizada em 20/05/2019 | 07h15

Novo comando do PDT caxiense faz indicativo de Alceu na disputa à prefeitura de Caxias em 2020

Ex-prefeito minimizou mal-estar que cerca o partido há meses e que inclusive o levou a deixar presidência da sigla

Novo comando do PDT caxiense faz indicativo de Alceu na disputa à prefeitura de Caxias em 2020 Mateus Frazão/Agencia RBS
Convenção do PDT caxiense foi realizada sábado e elegeu Maurício Flores (de camisa branca) para a presidência do partido Foto: Mateus Frazão / Agencia RBS

O novo comando do PDT caxiense, que tem o advogado Maurício Flores, 26 anos, como presidente, vai encarar um desafio difícil. Unir o partido depois do esfacelamento resultante das derrotas eleitorais de 2016 e 2018, visando à disputa municipal do próximo ano. Maurício foi assessor do ex-vereador Pedro Incerti, que agora é seu vice-presidente na Executiva municipal. Incerti foi líder do governo Alceu Barbosa Velho na Câmara. 

Leia mais  
"Alceu Barbosa Velho só não é candidato se ele não quiser", afirma novo presidente do PDT
Advogado Maurício Flores é eleito novo presidente do PDT de Caxias

O novo presidente do partido disse ao Pioneiro que Alceu só não será candidato a prefeito se não quiser. E voltou a afirmar que são todos amigos no PDT, apesar do mal-estar público que toma conta há meses. 

Alceu minimizou as divergências e desgastes políticos. Ele teve sua imagem atingida ao ser alvo de pedido de expulsão por movimentos internos do partido por anunciar apoio a Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno da eleição presidencial, o que culminou com seu afastamento da presidência da sigla.

— Criou mal-estar na ocasião. Agora, o cara quer dizer que tem divisão no partido... Os vereadores estão todos aqui (Ricardo Daneluz não estava), as divergências são naturais... Essa gurizada que está assumindo é uma gurizada nova, tem de por sangue novo. 

O braço direito de Alceu, o ex-secretário municipal Agenor Basso, está na Executiva (no jurídico). Outro ex-vereador Renato Paese também faz parte, com o cargo de terceiro vice-presidente. 

Os movimentos levam ao entendimento de que o terreno está sendo preparado para Alceu estar na disputa eleitoral de 2020. Um eventual confronto com o prefeito Daniel Guerra (PRB) seria uma forma de fazer a defesa à sua administração, alvo de inúmeras declarações polêmicas por parte do atual chefe do Executivo. Retomar a prefeitura seria uma desforra diante do resultado de 2016. 

Alceu segue saindo pela tangente quando questionado se poderá concorrer e repete a conhecida frase: "Se não posso dizer que sim, não preciso dizer que não".

Sem panos quentes

O vereador Rafael Bueno preferiu não ficar quieto. Ele tem sido crítico à condução do processo de formação do novo diretório municipal, afirmando que o interesse dos articuladores é em cargos em comissão (CCs) na Câmara. 

— A bancada (na Câmara) não serviu e nunca servirá para atender a assuntos pessoais, que não correspondem ao trabalhismo. Pessoas que tentam destruir a bancada dos vereadores através da executiva estadual, diretório estadual, que dão calote a vereadores, mas estão querendo fazer parte de uma nominata... Temos de ter responsabilidade, não tratar com amadorismo, e ter diálogo, que não teve com a eleição deste diretório. No momento que decidir o futuro do partido nas eleições do ano que vem, tem que ser amplamente dialogado, não quatro ou cinco pessoas decidir nominata de vereador e a coligação do PDT.  (Com Mateus Frazão)

Leia também  
PRB se reúne com prefeito Daniel Guerra para discutir candidatura à reeleição depois de julho
Vereador que faltou à votação era a favor do projeto de Daniel Guerra contra ideologia de gênero nas escolas
Projeto de Daniel Guerra contra ideologia de gênero expõe divisão dos oposicionistas

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros