Falta de médicos expõe  dificuldade no governo Daniel Guerra após conflitos - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante21/03/2019 | 07h45Atualizada em 21/03/2019 | 07h50

Falta de médicos expõe  dificuldade no governo Daniel Guerra após conflitos

Secretário da Saúde pede para comunidade indicar profissionais, o que demonstra que realidade é bem diferente do que prefeito pregava

Falta de médicos expõe  dificuldade no governo Daniel Guerra após conflitos André Fiedler/Divulgação
Protesto na UBS do bairro Serrano por falta de médico Foto: André Fiedler / Divulgação

Diante da dificuldade que o governo de Daniel Guerra (PRB) tem enfrentado para encontrar médicos interessados em atuar na rede pública do município, a Secretaria da Saúde de Caxias do Sul está pedindo indicações de profissionais. A afirmação feita à imprensa pelo secretário da Saúde, Júlio César Freitas da Rosa, revela que a situação é bem diferente do que imaginava o município diante do conflito com os médicos registrado assim que começou esta administração. 

Leia mais  
Secretaria da Saúde de Caxias pede indicações de médicos que queiram atuar na rede pública
Quase metade dos médicos nomeados desde 2018 pela prefeitura de Caxias recusou serviço público 

— Neste ano chamamos mais de 30 médicos e somente três assumiram — lamentou Freitas da Rosa diante da negativa dos profissionais em aceitar o serviço no município.

A falta de interesse dos médicos é muito preocupante e põe por terra o que o prefeito dizia há dois anos quanto à facilidade de preencher as vagas. Um dos momentos mais tensos foi quando o governo divulgou vídeo em que o prefeito, ao telefone, cobrava um médico grevista pelo não comparecimento ao trabalho.

O vereador Rafael Bueno (PDT) foi direto ao ponto, ontem, em sua manifestação na Câmara. Ele resgatou as declarações do prefeito de março de 2017 quando dizia que o município estava pronto para chamar imediatamente mais 70 médicos, se fosse preciso, além de 30 que tinham sido anunciados. Guerra só não imaginava o tamanho da rejeição.

Bueno cobrou que "o prefeito bradava que demitia médico, pois havia médicos sobrando". 

— A gente chuta uma pedra e arruma médico em tudo quanto é lugar... Esses médicos vagabundos que não querem trabalhar que peçam para sair, que médico tem sobrando — disse Bueno, referindo-se à forma como Guerra tratava os médicos servidores.

Muito foi falado sobre a falta de diálogo (que o prefeito constesta e garante ser a sua marca). Agora, a situação é essa: a prefeitura pedido ajuda para a população indicar profissionais.  Fórmula estranha.

— E o secretário que ganha R$ 17 mil (o valor é R$ 13,4 mil) está fazendo o quê? Cadê o prefeito de Caxias? — cobrou o vereador.

Por que será que ninguém quer? Com a palavra, o governo.

Leia também  
"É remorso da oposição", alega prefeitura de Caxias após críticas sobre similaridades entre projeto de Executivo e de vereadores
Assembleia Legislativa entrega medalha do Mérito Farroupilha a Eduardo Bolsonaro em 11 de abril
Vereador desmente prefeito Daniel Guerra sobre projeto de uniformes escolares  

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros