Votação do pedido de impeachment deve ocorrer nesta terça, e sem reviravolta - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Mirante11/02/2019 | 21h40Atualizada em 11/02/2019 | 21h40

Votação do pedido de impeachment deve ocorrer nesta terça, e sem reviravolta

Vereadores avaliam na sessão ordinária acolhimento ou não da denúncia contra o prefeito Daniel Guerra

Votação do pedido de impeachment deve ocorrer nesta terça, e sem reviravolta Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Não deve haver novo adiamento da votação da admissibilidade do pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra, como ocorreu terça-feira passada. A decisão deve sair na sessão de hoje da Câmara. Os cinco dias a mais solicitados pelo vereador Edio Elói Frizzo (PSB), na prática um tempo a mais para tentar alterar um cenário de votação favorável ao prefeito, não surtiram efeito suficiente para uma reviravolta.

Leia mais
Pedido de impeachment do prefeito de Caxias volta para votação nesta terça-feira

Há alguns vereadores ainda fechados em copas em relação ao voto: Paula Ioris (PSDB) e Tatiane Frizzo (PSDB) anunciaram que não abririam posição. Gustavo Toigo esteve sempre na fileira dos indefinidos. Pelo menos 10 parlamentares abriram o voto pelo "não", isto é, contra o acolhimento do impeachment. Outros dois manifestam-se pelo "não", sob a condição do sigilo. São necessários 12 votos, que devem ser confirmados também a partir do exame dos sinais e do perfil político dos vereadores que não abriram o voto até agora.

A colheita da oposição deve chegar a seis votos, quem sabe sete. Frizzo explanou sobre o pedido de impeachment a seus colegas de bancada, a partir da análise que fez. Ele entende que, dos 28 tópicos apresentados pelo ex-vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu, pelo menos dois são capazes de fundamentar a abertura do processo. Mas tem claras as dificuldades para chegar ao volume de votos necessários para abrir o processo.

Assim deve ser o enredo da quinta tentativa de impeachment contra o prefeito Guerra. 

Daniel Guerra, ao longo de sua gestão até agora, cometeu riscos. Veio até aqui amparado pelo respaldo eleitoral. Até o momento, os vereadores têm se revelado atentos ao resultado das urnas.

RAIO-X DOS VOTOS

> "Sim" é voto a favor da aceitação do pedido de impeachment.
>  "Não" é voto contra a aceitação do pedido de impeachment.
> Quem já abriu voto "não": Adiló Didomenico (PTB), Arlindo Bandeira (PP), Denise Pessôa (PT), Edi Carlos (PSB), Elisandro Fiuza (PRB), Kiko Girardi (PSD), Renato Oliveira (PCdoB), Ricardo Daneluz (PDT) e Rodrigo Beltrão (PT) e Tibiriçá Maineri (PRB). Edi Carlos não abriu voto oficialmente, mas seus sinais são evidentes.
> Quem já abriu voto "sim": Alceu Thomé (PTB), Edio Elói Frizzo (PSB), Gládis Frizzo (MDB), Paulo Périco (MDB) e Rafael Bueno (PDT).
> Edson da Rosa, por seu perfil político, é um voto contrário ao acolhimento. Mas está em uma bancada que abre ou emite sinais pela aceitação do impeachment, o que inclui Felipe Gremelmaier.
> Alberto Meneguzzi (PSB) e Velocino Uez (PDT), por perfil político, tendem ao "não".
> Gustavo Toigo (PDT) e Paula Ioris não emitiram sinais consistentes.
> Tatiane Frizzo (Solidariedade) não abriu posição. Mas Neri, O Carteiro, que é uma referência para sua atuação, votou contra em pedidos anteriores.

Não aditou por pouco

O ex-vice-prefeito chegou a ensaiar no domingo novo aditamento ao pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra, incorporando dois novos tópicos. O primeiro deles, uma emenda a denúncia, sob título "Entrada franca na Festa da Uva", demagogia perigosa, que, na estrutura do pedido, corresponde ao título 12. O segundo são razões (fundamentos) acrescidas ao título Honorários dos Procuradores Públicos (título 10), que Fabris chama de "A lei segundo DG". Seriam mais 15 páginas a serem acrescentadas às cerca de 200 que compõe o pedido completo, para leitura na sessão de hoje da Câmara. Na contabilidade, o número de tópicos do pedido de impeachment do prefeito chegaria 30.

Mudou de ideia

No meio do caminho, Fabris mudou de ideia, e não formalizou o novo aditamento.

— Considerando o encaminhamento ao MP, não protocolarei nova emenda à denúncia na Câmara.

Semana passada, foi um aditamento de véspera que motivou pedido de adiamento da votação pelo vereador Edio Elói Frizzo (PSB).

Desta vez, a menos que ocorra uma surpresa de última hora, não deve haver novo pedido de adiamento e a votação ocorre nesta terça-feira. 

Aliás, a pauta da sessão ordinária desta terça-feira da Câmara é composta por um único item: "processo encaminhando denúncia de fatos e pedido de afastamento (impeachment) do prefeito Daniel Antônio Guerra."

Leia também
Projeto quer proibir consumo de bebida alcoólica no Largo da Estação, em Caxias
"Empoderamento é importante", diz primeiro vereador surdo da Câmara de Caxias do Sul
Vereadores de Caxias do Sul participam de mutirão no Cristóvão de Mendoza

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros