"Auxílio-mudança": Pepe Vargas vai receber, Mauro Pereira já ganhou - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Dinheiro no bolso06/12/2018 | 06h20Atualizada em 06/12/2018 | 13h14

"Auxílio-mudança": Pepe Vargas vai receber, Mauro Pereira já ganhou

Valor equivale ao de um subsídio mensal de parlamentar, R$ 33.763. Tem desconto de Imposto de Renda, informa a Câmara

"Auxílio-mudança": Pepe Vargas vai receber, Mauro Pereira já ganhou Montagem sobre as fotos de Fabio Rodrigues Pozzebom e Leticia Rossetti/ Divulgação/
Pepe e Mauro têm benefício concedido para compensar as despesas com mudança e transporte Foto: Montagem sobre as fotos de Fabio Rodrigues Pozzebom e Leticia Rossetti/ Divulgação

O deputado federal Pepe Vargas (PT) disse que vai receber a ajuda de custo concedida aos parlamentares, popularmente conhecida como "auxílio-mudança". O valor é equivalente ao de um subsídio mensal, R$ 33.763. Ele deixará o cargo em 31 de janeiro de 2019, quando assumirá como deputado estadual. Por sua vez, o ex-deputado federal Mauro Pereira (MDB), segundo suplente, já recebeu o valor de fim de mandato quando deixou a cadeira em abril, diante do retorno do titular Márcio Biolchi para a disputa à reeleição.

Conforme a Câmara dos Deputados, o benefício é destinado a compensar as despesas com mudança e transporte dos parlamentares no início e no fim do exercício do mandato (não será pago ao suplente que for reconvocado dentro do mesmo mandato). A assessoria de imprensa da Casa informa que é concedido automaticamente ao parlamentar, na folha de pagamento, na assunção e no término do mandato, e sobre o valor pago há desconto de Imposto de Renda.

Mauro confirma o recebimento, mas diz que não lembra o valor. No site da Câmara, aparece "vantagens indenizatórias" de R$ 33.763 em abril e desconto de R$ 9.284,82 de Imposto de Renda. O total, portanto, é R$ 24.478,18. O valor deve ser o mesmo que Pepe irá receber.

Pepe justifica que o benefício está dentro das regras legais do exercício do mandato. Se tivesse sido reeleito, não aceitaria, mas como terá despesas para desativar a moradia que ocupa, vai usar, informou via assessoria.

Mauro, hoje assessor especial do Gabinete Pessoal do presidente Michel Temer (MDB), não admite que a regalia seja chamada de "auxílio-mudança", frisa que é ajuda de custo. Ele diz que no Executivo federal, sim, existe o auxílio-mudança, mas que desse ele abriu mão em sua ida para o cargo no Planalto, cuja nomeação foi assinada em 21 de novembro.

:: O abuso com o dinheiro público está em vigor desde fevereiro de 2015 e causa mais espanto por beneficiar também os reeleitos e os que têm imóvel em Brasília. A Câmara afirma que está reavaliando os critérios de concessão da ajuda de custo. Diz que pretende torná-los mais claros e restritivos. 

Argumentos

Mauro Pereira argumenta que foi muitas vezes por conta a Brasília depois que terminou a eleição para destravar emendas que beneficiam a região. Também afirma que durante o mandato utilizou seu carro particular por pelo menos seis meses, sem locar pela Câmara como teria direito.

Quando deixou o mandato, o emedebista tornou-se assessor parlamentar de Furnas até três meses antes da eleição. Até agora ele não usou a ajuda concedida para transportar para Caxias o que tem em Brasília. Talvez o faça no ano que vem, se não surgir um novo cargo na Capital Federal.

Contrários

O senador reeleito Paulo Paim (PT) divulgou nesta quarta-feira em seu Twitter que abriu mão dos dois salários extras da chamada "verba de mudança" (um seria por encerrar o mandato e outro por iniciar). Ele diz que nunca recebeu e não vai receber. Acrescenta que apresentou projeto para extinguir essa legislação.

A senadora Ana Amélia Lemos (PP), que encerra seu mandato no próximo ano, também havia divulgado que não irá receber. Ela encaminhou ofício à diretoria-geral do Senado solicitando que não seja pago a ela o benefício. Ana Amélia é autora de um projeto de decreto legislativo (PDS 151/2013), que veda o pagamento da ajuda de custo dos membros do Congresso Nacional no caso de reeleição. A matéria aguarda votação no plenário do Senado.

Leia também
Vereador quer advertência ao líder do governo na Câmara de Caxias no caso do "corretivo"
Câmara aprova nova parcela salarial para sete cargos de servidores públicos
Vereador diz que fará serviço comunitário no recesso

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros