Três questões para Paulo Paim, candidato ao Senado pelo PT - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Eleições 201803/10/2018 | 08h22Atualizada em 03/10/2018 | 09h30

Três questões para Paulo Paim, candidato ao Senado pelo PT

Candidato do PT à reeleição diz que focará atuação na revogação da reforma trabalhista

Três questões para Paulo Paim, candidato ao Senado pelo PT Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

O Pioneiro encerra hoje a publicação de entrevistas com os concorrentes melhores colocados nas três últimas pesquisas do Ibope para o Senado. O jornal abriu espaço e enviou as três questões para os 8 postulantes mais bem posicionados. A candidata Carmen Flores, do PSL, não havia enviado as respostas até ontem. Assim, o sétimo entrevistado é Paulo Paim, 68 anos, candidato do PT que concorre à reeleição.

Leia mais
Três questões para Abigail Pereira, candidata ao Senado pelo PCdoB
Três questões para Ana Varela, candidata ao Senado pelo Podemos
Três questões para Beto Albuquerque, candidato ao Senado pelo PSB
Três questões para Luis Heinze, candidato ao Senado pelo PP
Três questões para Luiza Weber, candidata ao Senado pelo Solidariedade

Paim é natural de Caxias do Sul. Metalúrgico, iniciou sua trajetória no Congresso na Câmara dos Deputados em 1987, com mandatos sucessivos até 2002. Entrou no Senado em 2003 e está no segundo mandato. Foi presidente da Central Estadual de Trabalhadores do Rio Grande do Sul e do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas.

1. Qual o principal problema que o RS enfrenta, na sua opinião?
Qualquer pesquisa diz que os maiores problemas no RS hoje são educação e saúde. Com a Emenda 95 (do Teto de Gastos), que congela investimentos nessas áreas, a situação fica ainda mais grave. Eu indico a minha emenda parlamentar, todos os anos, para a educação. Aprovei, via Orçamento da União, R$ 83 milhões para a educação/UERGS (Universidade Estadual do RS). O governo liberou R$ 23 milhões. É claro que isso é muito pouco. É preciso que a União, os Estados e os municípios invistam mais na educação. Já a saúde exige mais investimentos no SUS para que a saúde pública e gratuita atenda de fato à população, na forma como nós, constituintes, aprovamos. Segurança e desemprego estão no mesmo patamar.

2. Qual a principal bandeira que a senhora pretende levar para o Senado?
Sempre digo que já fizemos muito, mas ainda há muito por fazer. Aprovei as leis dos estatutos do Idoso, da Pessoa com Deficiência e o da Igualdade Racial. Todas de minha autoria. Relatei a lei do Estatuto da Juventude. Essas leis beneficiam milhões de pessoas. Há muitas outras, de minha autoria, que também são realidade hoje. Mas o meu foco para o próximo mandato será a revogação da reforma trabalhista e a aprovação do Estatuto do Trabalho, a nova CLT. Vou continuar lutando contra reforma da Previdência. Temos que garantir o direito da aposentadoria. Temos que revogar a Emenda 95, que congelou investimentos no país por 20 anos e está causando uma das maiores taxas de desemprego da nossa história.

3. Qual sua posição sobre o regime de recuperação fiscal?
Entendo que essa proposta não resolve o problema da dívida do nosso Estado.  E também sei que a questão é complexa. Apresentei um projeto em 2015, sugestão do deputado constituinte Hermes Zanetti, com o apoio da bancada gaúcha. Essa proposta resolve a questão. Ela prevê a atualização da dívida pelo IPCA, desde o início. Fizemos uma dívida de R$ 9 bilhões, pagamos R$ 30 bi e ainda estamos devendo R$ 60 bi. Isso é impagável. Não adianta empurrar com a barriga. Com a minha proposta, além de quitarmos a dívida com a União, teremos que receber de volta R$ 11,1 bilhões. É fundamental fazer uma articulação com os outros Estados e governadores para que esse projeto seja o eixo balizador de uma repactuação nacional para resolver, efetivamente, a situação dos estados.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros