Os prejuízos para a Serra ao não eleger um deputado federal - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Eleições 201809/10/2018 | 08h57Atualizada em 09/10/2018 | 09h06

Os prejuízos para a Serra ao não eleger um deputado federal

Entidades e lideranças relacionam os prejuízos ligados à não-eleição de representantes para a Câmara

Os prejuízos para a Serra ao não eleger um deputado federal CELSO JUNIOR/AGE-ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: CELSO JUNIOR / AGE-ESTADÃO CONTEÚDO

A bancada gaúcha na Câmara Federal não terá nenhum representante de Caxias do Sul e da Serra Gaúcha a partir do próximo mandato. O segundo maior colégio eleitoral do Rio Grande do Sul, o segundo polo metalmecânico do país e o segundo maior município em arrecadação de impostos do Estado ficará de fora das principais discussões do país, como as reformas políticas, tributárias e da Previdência. Os temas são propostas do próximo presidente da República, seja Fernando Haddad (PT) ou Jair Bolsonaro (PSL).

Desde o início da década de 1990, Caxias tem um ou dois candidatos eleitos com votações expressivas (veja o quadro abaixo). Na eleição de domingo (7), os partidos apresentaram 20 candidatos caxienses a deputado federal. PSB e PTC tiveram três candidatos cada. O número elevado de concorrentes diluiu a votação de candidatos com maior potencial eleitoral, como o ex-prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) e Mauro Pereira (MDB). Além disso, candidatos de fora de Caxias também conquistaram votos de eleitores da cidade. Os cinco deputados de fora mais votados obtiveram juntos 38.244 votos na cidade.

Leia mais
Veja qual foi a votação dos candidatos a deputado federal em Caxias e região
Confira os resultados das eleições para presidente, governador do RS, senador, deputado federal e estadual
Caxias do Sul fica sem representação na Câmara Federal

Para a Câmara da Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, a culpa é dos partidos, que não souberam avaliar o cenário eleitoral e repetiram o erro da eleição de 2014, quando a cidade ficou sem representante titular na Assembleia Legislativa.

— Infelizmente, não conseguimos eleger um deputado federal agora. Manifestamos essa preocupação no início do ano quando chamamos os partidos políticos e sugerimos que avaliassem bem as suas candidaturas, para que não tivéssemos mais candidatos do que votos capazes de elegê-los — disse Ivanir Gasparin na reunião-almoço de terça-feira (9) da CIC.

O presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne) e prefeito de Veranópolis, Waldemar De Carli (MDB), diz que é difícil mensurar o tamanho do prejuízo com a perda da representatividade na bancada da região. De Carli afirma que as duas maiores cidades da Serra – Caxias e Bento Gonçalves – deveriam se unir para organizar seus representantes. Ele comenta que alguns deputados de outras regiões do Estado auxiliam com compromissos com a região, mas destaca que o comprometimento é menor. 

— Ficou ruim. É um prejuízo imenso. Perdemos poder na bancada gaúcha para as nossas grandes demandas. Agora perderemos a distribuição das verbas de bancadas. Ficamos sem voz e perdemos quem pode reivindicar nossas demandas.

Um prejuízo imenso
1.
Ausência dos debates sobre reformas da Previdência, política e tributária.
2.  Menos força e articulação para a reivindicação e o encaminhamento das demandas regionais.
3. Falta de representantes diretos para conquista de verbas via emendas parlamentares ou de bancadas.

O que dizem
"Em primeiro lugar, deveria haver uma estratégia regional, de unidade partidária. Ninguém se elege só por Caxias, precisa de apoio regional. Os partidos precisam se fortalecer regionalmente e escolher candidatos que tenham amplitude e apoios em vários municípios. Outro fenômeno é a vantagem que candidatos famosos levam sobre os demais."
Antonio Feldmann (PSD), que fez 5.633 votos

"Recebo de forma humilde a opção dos caxienses que majoritariamente optaram por candidaturas de fora da cidade. No meu partido, houve mais sete candidatos que disputaram palmo a palmo cada voto comigo e isso faz parte da festa democrática. Sigo com meu foco de trabalhar em prol da minha cidade e na esperança de que, em 2020, possamos apresentar um projeto democrático e popular para Caxias."
Rodrigo Beltrão (PT), que fez 11.213 votos

"Pela receptividade nas ruas, tinha expectativa de maior número de votos se comparado à eleição de 2014. Em Caxias, fui a segunda mais votada, o que é positivo. No partido, a quarta mais votada. Mas o resultado foi insuficiente para eleger. Alguns pontos que influenciaram o resultado: a coligação com nomes fortes, políticos tradicionais. Além disso, tinha número expressivo de candidatos em Caxias, o que fez dividir ainda mais os votos."
Paula Ioris (PSDB), que fez 25.005 votos

Eleitos nas últimas eleições
1994
Paulo Paim (PT): 138.558
Germano Rigotto (MDB): 108.334

1998
Paulo Paim (PT): 213.894
Germano Rigotto (MDB): 151.260

2002
José Ivo Sartori (MDB): 98.903

2006
Pepe Vargas (PT): 124.686
Ruy Pauletti (PSDB): 57.064

2010
Pepe Vargas (PT): 120.707
Assis Melo (PCdoB): 47.141

2014
Pepe Vargas (PT): 109.469

Leia também
"Tenho de escutar as pessoas", diz Neri, o Carteiro, deputado estadual eleito de Caxias
Veja qual foi a votação dos candidatos a deputado estadual em Caxias e região

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros