Fechamento do Postão vai reforçar UBSs, mas debandada de médicos é uma possibilidade - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Saúde pública10/10/2018 | 16h59Atualizada em 10/10/2018 | 18h38

Fechamento do Postão vai reforçar UBSs, mas debandada de médicos é uma possibilidade

Unidade do Cristo Redentor, pronta desde 2017, deve ser aberta com equipe transferida do Pronto-Atendimento 24 Horas

Fechamento do Postão vai reforçar UBSs, mas debandada de médicos é uma possibilidade Roni Rigon/Agencia RBS
Prédio do Cristo Redentor precisa de equipamentos e pessoal para atender público Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

As vagas de médicos que serão criadas nas UBSs, a partir da realocação dos funcionários do Pronto-Atendimento 24 Horas (Postão), podem resolver problemas antigos nos bairros, como a falta de pediatras. A transferência também seria usada para abrir o posto de saúde do bairro Cristo Redentor, pronto desde o início do ano passado mas fechado por falta de equipamentos e pessoal.

Por outro lado, pode estimular uma debandada. Nem todos os médicos têm interesse ou tempo para atuar nos postos de saúde, o que aumenta a possibilidade de pedidos de exonerações. Isso ocorre porque o médico do Postão geralmente dedica um turno inteiro para atender nos plantões, deixando o resto da semana para prestar serviços no consultório ou na rede privada. No caso das UBSs, a tendência é de que ele tenha que distribuir a jornada de 12 ou 20 horas semanais, antes diluída num único dia, em vários horários na semana. O esquema, portanto, comprometeria esse trabalho fora da prefeitura.

O problema não afetaria outros profissionais, como enfermeiros e técnicos, mas ninguém está contente com a mudança. Leone Ferreira Pereira, ex-coordenador de enfermagem do Postão, está cético:

— Eu, como servidor, vou fazer o meu melhor onde estiver, mas não vou conseguir fazer isso sozinho se não tiver médico nas UBSs. Muitos profissionais vão pedir exoneração — alerta Leone.

Para ele, o fechamento do Postão e a realocação dos servidores não foi analisada por uma equipe técnica, o que vai acarretar problemas.

— Haveria sim como manter o atendimento enquanto se realizam obras, já foi assim no Hospital de Clínicas, onde atuei. Todos os que estão discutindo o Pronto-Atendimento não tem capacidade técnica para isso, não há médicos, enfermeiros. O termo para o fechamento é tão profundo quanto um pires. 

Leia também
Hospitais ainda não sabem como darão retaguarda ao público com o fechamento do Postão
Transferência de médicos e funcionários do Postão será definida em conversas individuais de cinco minutos
Fechamento do Postão motiva reunião entre prefeito e vereadores em Caxias do Sul

Na tarde desta quarta-feira, a visita da comitiva do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers) ao Postão foi cancelada.  O grupo, que veio de Porto Alegre, representa os interesses da classe médica e visitou a Câmara de Vereadores, quando se reuniu com membros do Conselho Municipal de Saúde e com o vice-prefeito de Caxias, Ricardo Fabris. Após, representantes do Cremers visitaram o Ministério Público Estadual, em reunião com a promotora Adriana Chesani. A inspeção ao Postão foi descartada porque a unidade passará por reforma a partir do dia 17. 

— O que ouvimos de todos é a preocupação com o plano de contingência, com o que será feito. Há dúvidas grandes se os outros lugares (UBSs) terão capacidade de atender à demanda. Os colegas médicos estão muito preocupados — avalia o presidente do Cremers, Eduardo Trindade. 

A planilha de transferências de profissionais inclui médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, servidores administrativos e zeladores, entre outros. Diversas unidades receberão profissionais, entre elas, os postos do Esplanada, Campos da Serra, Reolon, Santa Fé, São Caetano, São Ciro e Diamantino. No Reolon, por exemplo, estão previstos dois pediatras, profissional hoje em falta na unidade. Também serão realocados servidores para o Centro Especializado de Saúde (CES).

No total, o Postão tem um total de 245 funcionários — são cerca de 100 médicos. Os profissionais serão chamados para uma conversa individual com o Gabinete da prefeitura para definir onde será o posto de trabalho de cada um a partir da próxima semana. Cada encontro tem a previsão de durar cinco minutos. As conversas estão agendadas para começar na segunda-feira, 15 de outubro, e devem ser concluídas no dia 22 de outubro.

A lista foi entregue ao final da assembleia de terça-feira logo após o chefe de Gabinete do município, Júlio César Freitas, comunicar o fechamento do postão para as reformas. 

UBSs QUE RECEBERIAM REFORÇO

Para onde seriam encaminhados os médicos do Postão, de acordo com lista repassada aos servidores na assembleia de terça-feira:

Pediatras: Campos da Serra (1), Centenário (1), Esplanada (3), Fazenda Souza (1), Galópolis (1), Parque Oásis (1), Reolon (2), Santa Fé (1), São Caetano (1), São Ciro (1), São Victor Cohab (1), Serrano  (1) e Villa-Lobos (1).

Clínicos: Ana Rech (1), Bela Vista (2), Centro de Saúde (4), Cinquentenário (1), Cristo Operário (1), Cristo Redentor (5 - unidade está fechada), Cruzeiro (3), Diamantino (2), Jardim Eldorado (1), Esplanada (2), Pioneiro (2) Planalto Rio Branco (2), Rio Branco (2), São Ciro (2), São José (1), São Victor-Cohab (2), Santa Lúcia (2) e Vila Ipê (2).

Os demais vão compor uma equipe volante ou integrar outras unidades.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros