Cartório eleitoral de Caxias faz levantamento de seções que mais registraram transtorno - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Eleições 201809/10/2018 | 14h55Atualizada em 09/10/2018 | 14h55

Cartório eleitoral de Caxias faz levantamento de seções que mais registraram transtorno

Intenção é adotar medidas para dificuldades não se repetirem no segundo turno

Cartório eleitoral de Caxias faz levantamento de seções que mais registraram transtorno Felipe Carneiro/Diário Catarinense
Urnas utilizadas em Caxias do Sul são de 2009 Foto: Felipe Carneiro / Diário Catarinense

O cartório eleitoral de Caxias do Sul realizou um levantamento das seções que mais registraram transtornos no último domingo (7). A análise é realizada por meio das atas dos mesários.

De acordo com o chefe de cartório da Zona Eleitoral 169, Edson Borowski, a intenção é adotar medidas para evitar novos problemas no segundo turno, marcado para 28 de outubro. A partir da verificação, será possível identificar quais foram as principais dificuldades e adotar novas estratégias. 

Leia mais
Mirante: governador Sartori, ex-PCB, agora apoia Jair Bolsonaro
Os prejuízos para a Serra ao não eleger um deputado federal

No caso da biometria, por exemplo, é possível orientar novamente os mesários a respeito do melhor procedimento para coletar as digitais dos eleitores.

— Em 2016 houve uma seção em que o terminal estava perto da janela e dificultava a leitura — lembra Borowski.

Embora alguns problemas tenham sido registrados, inclusive na finalização das urnas para apuração, nenhuma seção de Caxias concluiu a votação após as 17h. A lentidão registrada por parte das urnas no encerramento e gravação dos dados se deve, segundo Borowski, à idade dos equipamentos, que são de 2009. Isso não impede, porém, o registro e a leitura dos votos. O cartório não tem previsão de substituição das urnas antes de 2020.

Justificativa

Desde esta segunda-feira (9) os eleitores que não votaram podem justificar a ausência, tanto no cartório eleitoral quanto pelo site www.tse.jus.br. O prazo é de dois meses e é preciso anexar um documento que comprove a impossibilidade de votar. Quem não justificar ou não apresentar um motivo válido pagará multa que varia entre R$ 3,51 e R$ 35,10. O eleitor que não votar ou justificar três eleições seguidas, incluindo cada turno, tem o título cancelado.

Leia também
"Tenho de escutar as pessoas", diz Neri, o Carteiro, deputado estadual eleito de Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros