"Que o governo trabalhe para não atrapalhar", diz CEO  que concorre com gigantes das finanças - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Eleições 201819/09/2018 | 13h49Atualizada em 19/09/2018 | 14h43

"Que o governo trabalhe para não atrapalhar", diz CEO  que concorre com gigantes das finanças

Arthur Silveira inovou ao apostar na prestação de serviços para empresas em Gramado e projeta expansão para o resto do país

"Que o governo trabalhe para não atrapalhar", diz CEO  que concorre com gigantes das finanças Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Arthur e duas irmãs cresceram acompanhando o trabalho dos pais e acreditam na relação horizontal entre todos os integrantes da empresa. Na fintech Bela Viagem, não existem cargos, pois todos atuam em conjunto para achar soluções que favoreçam o crescimento do negócio Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Quantos novos modelos de negócios estão sendo gestados na Serra e abandonarão o berço em busca de outros lares para prosperar é uma dúvida inquietante. Estivesse preso a essa regra forçada que atrapalha o avanço do desenvolvimento econômico da região, Arthur Silveira, 28 anos, possivelmente comandaria o empreendimento familiar num grande centro do país ou até mesmo fora daqui. Mas o CEO de um dos melhores cases de inovação da região inverte a lógica ao emplacar uma empresa no distrito industrial de Gramado.

Líder da Bela Viagem Pagamentos, uma fintech por onde são transacionados cerca de R$ 120 milhões gerados pela economia da cidade, Arthur garante 40 empregos diretos e lidera uma equipe que aspira expansão daquelas lendárias: fazer da Bela um empreendimento global do tipo unicórnio, startups que valem US$ 1 bilhão antes de mesmo de abrir o capital numa bolsa de valores. E tudo seria operado a partir da Serra.

Numa era em que o formato tradicional de negócios dá sinais de esgotamento, com fechamento de empresas e postos de trabalho, Arthur vende a ideia de que é preciso abrir mentes e corações para construir oportunidades, mesmo que isso signifique atuar fora da caixa, além dos padrões. O CEO, que precisou de autorização judicial para ter o nome registrado como trabalhador quando tinha apenas 13 anos, criou um nicho baseado na tecnologia aplicada às finanças. Considerando que o serviço prestado pela Bela estava concentrado até pouco tempo na mão de bancos e bandeiras de cartões de crédito, a iniciativa é o tipo de negócio que precisa inspirar o próximo governo do Estado. 

— Inovação não virá da lei. Em outras cidades do planeta, os projetos surgem, dão certo e só depois o governo vai regular isso. É disso que precisamos: que o governo trabalhe muito para não barrar, não atrapalhar a inovação _ pondera Arthur, quando questionado sobre o papel do futuro governador em relação ao desenvolvimento e inovação da Serra gaúcha e do Rio Grande do Sul.

Soluções

Até o final do ano passado, a Bela operava abaixo do radar. Era negócio novo, portanto, não tinha um grupo forte por trás e o CEO queria evitar confronto direto com potenciais competidores, no caso, os gigantes do mercado financeiro. O empreendedor sempre soube que uma empresa precisa vender mais. Então, a proposta levada inicialmente para os empresários de Gramado era um de serviço virtual que facilitasse esse processo. 

—  Para uma empresa vender, ela precisa cobrar depois e aí que começam as dores. Os métodos tradicionais de cobrança são muito dissociados da venda. Pagamento sempre foi de mercado financeiro. Vendas e gestão são de outros mercados, um não conversa com outro. A Bela é uma financeira, mas que une a venda — conta Arthur.

A equipe da Bela se deu conta que não adiantava apenas ajudar a vender e cobrar, era preciso apresentar soluções também na gestão. 

— Um empresário perde muito tempo para ir ao banco fazer o depósito do dinheiro da venda, pagar a folha, assinar cheques, fazer um monte de coisas burocráticas quando um foco dele deveria ser o cliente, por isso a Bela virou também um banco digital. Somos isso, venda, pagamento, gestão e banco — resume Arthur.

Caminho árduo

Olhando de fora, parece que o negócio nasceu pronto. Mas não foi bem assim. Com aprendizado adquirido no dia a dia ao lado dos pais, dois empreendedores sempre atentos às inovações da tecnologia, Arthur e duas irmãs dele levaram um longo tempo para migrar de um negócio paralelo da família que ganhava comissões de hotéis por meio de reservas no Gramadosite, para a fintech. Não foi uma mudança do dia a para a noite, houve dissabores e muito trabalho. A virada, de fato, só aconteceu em 2015, após uma longa conversa com José Renato Hopf, fundador da GetNet, um dos mentores da Endeavor, organização que apoia empreendedorismo de impacto.

— Decidimos ficar só em Gramado para amadurecer e só partir para outras cidades quando a coisa estivesse redonda.

A estratégia foi mantida até o final do ano passado, quando as vagas de trabalho na fintech mais do que dobraram e foi necessário investir numa nova sede, no caso, um pavilhão que abrigaria espaço para cinco fábricas no Distrito Industrial — o local tem espaço para receber até 500 funcionários.

Além do conceito de encontrar soluções para as empresas, a Bela aposta em relações horizontais não apenas com os clientes, mas com os próprios colaboradores. Não há cargos na empresa e todos os colegas são instigados a buscar soluções sem depender de um gestor — um psicólogo, por exemplo, atua no setor de atendimento aos clientes.

— Ele não é um atendente apenas, um operador de telemarketing, ele entende que a pessoa que está do outro lado é uma pessoa — compara o CEO.

O pavilhão de trabalho conta com cinema, sala de jogos, cabines para dormir, refeições preparadas por um chef e outros diferenciais que não se encontra na maioria das empresas da região, tudo construído a partir de sugestões da equipe para amenizar a pressão do dia a dia.

— Não sabemos se esse é o formato ideal, estamos aprendendo, pode ser que mude ali adiante, que o mercado exija algo diferente. Mas gostamos de difundir essa ideia, de que é fundamental deixar a inovação se criar — reforça Arthur. 

 Leia mais
Saiba por que a metodologia da Escola São Rafael, de Flores da Cunha, deveria ser regra na Serra
Fim da "ambulancioterapia" na Serra precisa ser prioridade da próxima gestão do Estado  



QUER SABER MAIS SOBRE AS DEMANDA DA SERRA?

:: Confira aqui as sugestões para a alavancar a educação estadual

:: Confira aqui as sugestões para alavancar a saúde pública na Serra

:: Confira aqui as sugestões para alavancar a segurança pública na região




 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros