Bolsonaro recebe alta médica, deixa hospital e vai para o Rio - Notícias de Eleições - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 

Eleições 201829/09/2018 | 14h44Atualizada em 29/09/2018 | 14h45

Bolsonaro recebe alta médica, deixa hospital e vai para o Rio

O candidato passou 22 dias internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo

Bolsonaro recebe alta médica, deixa hospital e vai para o Rio Facebook/Reprodução
Bolsonaro é o candidato do PSL à Presidência Foto: Facebook / Reprodução
Agência Brasil
Agência Brasil

O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), deixou o hospital Albert Einstein, no Morumbi, em São Paulo, às 13h45 deste sábado (29).

Ele recebeu alta médica às 10h, após passar 22 dias internado por ter sido esfaqueado em 6 de setembro durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Bolsonaro seguiu para o Aeroporto de Congonhas, onde embarcará para o Rio de Janeiro, no voo das 15h40.

Leia mais
Mirante: Jair Bolsonaro manda o vice ficar quieto
Conheça as propostas de Jair Bolsonaro, candidato do PSL a presidente da República

O presidenciável deixou o hospital por uma saída alternativa para evitar a movimentação da imprensa, que o aguardava na entrada principal do hospital. 

Gustavo Bebbiano, presidente do PSL, informou que o candidato segue com a saúde frágil nos próximos 15 dias e que não fará campanha de rua. Ele avalia que, com isso, a campanha foi prejudicada.

— Porque [a campanha] não conta com muitos recursos, não aceitamos doações de empresários, fazemos uma política diferenciada. A campanha vinha sendo feita com base no contato de Bolsonaro com o público — disse.

Bebbiano comentou sobre as polêmicas envolvendo o vice de Bolsonaro, general Mourão.

— O general é um homem brilhante, uma pessoa especialmente inteligente, experiente, mas que, talvez, não tenha esse traquejo com a imprensa. Às vezes, ele pode expressar um pensamento pessoal, que não reflete o plano de governo de Bolsonaro — declarou.

O presidente do PSL falou sobre os questionamentos de Bolsonaro a respeito da confiabilidade das urnas eletrônicas.

— O que nos incomoda é a impossibilidade da recontagem de votos. A gente tem uma contagem secreta de votos, que fica nas mãos de meia dúzia de técnicos. Infelizmente, isso contraria princípios da publicidade, transparência inerentes à administração pública — finalizou.

Leia também
Mirante: suspeita de fraude nas urnas citada por Bolsonaro é ironizada 
Mirante: Prefeito de Caxias do Sul não acompanha decisão nacional partidária à Presidência

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros