Dados do Atlas da Violência mostram que Caxias do Sul tem número de homicídios menor que as médias estadual e nacional - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Dados de 201828/08/2020 | 14h32Atualizada em 28/08/2020 | 14h32

Dados do Atlas da Violência mostram que Caxias do Sul tem número de homicídios menor que as médias estadual e nacional

Brasil contabilizou 57.956 homicídios, o que representa média de 27,8 mortes a cada 100 mil habitantes. Com 110 assassinatos, Caxias ficou abaixo das taxas

Dados do Atlas da Violência mostram que Caxias do Sul tem número de homicídios menor que as médias estadual e nacional Porthus Junior/Agencia RBS
Um dos crimes mais violentos de 2018 foi a chacina de quatro pessoas no Beco da Esperança, no bairro Planalto Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O Rio Grande do Sul aparece como o 20º estado com a maior taxa de homicídios do Brasil no Atlas da Violência, estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quinta-feira (27). Os dados são referentes a 2018.  São 23,8 assassinatos para cada 100 mil habitantes, o que faz com que o RS tenha a pior taxa da Região Sul. O Paraná está logo abaixo com uma taxa de 21,5, enquanto Santa Catarina aparece como o segundo melhor resultado do país, com 11,9 assassinatos para cada 100 mil habitantes.

Leia mais
Bento Gonçalves é a cidade mais violenta do interior do Rio Grande do Sul. 

Em 2018, o Brasil contabilizou 57.956 homicídios, o que representa uma média de 27,8 mortes para cada 100 mil habitantes. Com 110 assassinatos em 2018, Caxias do Sul ficou abaixo das taxas nacional e estadual. Foram 21,5 homicídios para cada 100 mil habitantes. O cálculo considera a população estimada em 510 mil habitantes pelo IBGE.

O Atlas da Violência é publicado com um "atraso" de dois anos porque reúne dados de todo o país e enfrenta a indiferença histórica dos governos em formular estatísticas sobre a violência. Ainda assim, o levantamento é uma referência por traçar um panorama e estudar o fenômeno da violência no Brasil, o que permite a comparação entre regiões e cidades de diferentes populações.

A publicação aponta que 2018 teve a menor taxa de homicídios por população em quatro anos, com uma redução de 12% na comparação com 2017, que teve 31,6 assassinatos por 100 mil habitantes. Os pesquisadores explicam a queda em três fatores: a continuidade da trajetória de diminuição de homicídios na maioria dos estados, o que é relacionado a questão demográfica, o Estatuto do Desarmamento e o amadurecimento qualitativo das políticas estaduais; armistício (velado ou não) entre as maiores facções penais nos conflitos ocorridos, principalmente, em seis estados do Norte e Nordeste; pelo aumento recorde do número de morte violenta com causa indeterminada, que pode ter ocultado milhares de homicídios.

Sete de cada 10 homicídios foram praticados com arma de fogo

O levantamento do Atlas aponta que em 71,1% dos homicídios registrados no Brasil em 2018, o agressor usou uma arma de fogo para cometer o crime. No total, 41.179 foram assassinados dessa forma naquele ano.

A proporção de homicídios cometidos com armas de fogo tem se mantido estável ao longo dos últimos 15 anos, na casa dos 70%. Mas o número varia de estado para estado. A maior proporção foi no Rio Grande do Norte, que teve 89,8% dos assassinatos em 2018 cometidos com esse instrumento. A menor foi registrada no Mato Grosso do Sul, com 42,5% das vítimas de homicídios sendo mortas a tiro. O Rio Grande do Sul contabilizou 77% das vítimas de homicídio sendo mortas por uso de arma de fogo. Em Caxias do Sul a proporção foi de 71%, idêntica à média nacional.

O estudo lembra que, em um ano e meio da gestão do presidente Jair Bolsonaro, já foram editados 11 decretos, uma lei e 15 portarias que, na visão dos especialistas, fragilizam os instrumentos de controle e fiscalização de armas de fogo e munições no Brasil. 

Em Caxias do Sul é possível perceber um crescimento na proporção, como mostra o Contador da Violência, ferramenta alimentada pela reportagem do Pioneiro com base em informações divulgadas pelas polícias. Em 2019, 77% dos 89 assassinatos registrados foi praticado com uso de arma de fogo. Em 2020, 64 homicídios, 55 foram a tiro, o que representa 85% das mortes.

Jovens representam 53,3% das vítimas no país

O número de homicídios de jovens em Caxias do Sul é menor que as médias nacional e estadual. O Atlas da Violência apontou que 30.873 pessoas com menos de 30 anos foram assassinadas em 2018, o que representa 53,3% do total de mortes por violência no país. No Rio Grande do Sul, os jovens foram vítimas de 47% dos homicídios, com 1.291 dos total de 2.699 vítimas estarem nesta faixa etária. Em Caxias do Sul, 39% das 110 vítimas de homicídio tinham menos que 30 anos.

Leia também
Por meio de campanha, prefeitura pede que caxienses não deem esmolas aos pedintes
Após aglomerações no final de semana, Brigada Militar irá intensificar as rondas em Caravaggio
"Não é tempo de sobra, é dedicação", diz presidente da Casa Anjos Voluntários, de Caxias, sobre voluntariado

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros