Vira-lata que evitou entrada de drogas em presídio de Caxias do Sul é adotada por policial - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Precaução21/07/2020 | 11h40Atualizada em 21/07/2020 | 11h40

Vira-lata que evitou entrada de drogas em presídio de Caxias do Sul é adotada por policial

Cachorrinha Mel ficou conhecida após recolher pacotes de drogas que são jogados por cima dos muros da cadeia

Vira-lata que evitou entrada de drogas em presídio de Caxias do Sul é adotada por policial Antonio Valiente/Agencia RBS
Por precaução, o soldado Jeverton Jardim adotou a Mel Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Temendo pela segurança da vira-lata que aprendeu a combater a entrada de drogas na Penitenciária Estadual de Caxias do Sul, no distrito do Apanhador, o soldado Jeverton Jardim, 36 anos, decidiu adotar a cachorrinha Mel. O temor é de que alguma visita pudesse tentar machucar ou envenenar o animal, que vivia solto entre os muros da maior cadeia da Serra.

Leia mais
Parceira dos policiais, cadela ajuda a evitar que drogas e celulares entrem em cadeia de Caxias do Sul
Arremessos de drogas para dentro de cadeias da Serra aumentam durante meses da pandemia

Mel deixou o Apanhador na última quarta-feira (15).

— Como eu já tinha uma relação com a Mel, decidi trazer para minha casa. Não iríamos deixar que fizessem mal pra ela. Os presos não teriam acesso para matar ela, mas podiam planejar algo. Ela vivia solta, até na rua. Alguém, uma visita, podia pegar. Ela está bem, fica em casa comigo e também pode circular pelo pátio. Ela pode estranhar um pouco não ter os amigos (outros cães que vivem na penitenciária), mas não valia a pena correr o risco — comenta o soldado Jeverton.

A cadela era companheira dos policiais na guarda externa e aprendeu sozinha a impedir os arremessos feitos por cima dos muros. No início de junho, ela recolheu um pacote com 1,2 quilos de maconha, 146 gramas de cocaína, 10 chips de celulares, um cabo e quatro fones de ouvido.

— O clima estava bem fechado (pela neblina), era difícil enxergar. Ela percebeu alguma coisa e ouvimos os latidos. Na sequência, ela voltou com o pacote na boca. Ela já tinha feito alarde em outras ocasiões, o que nos ajuda a identificar algo suspeito. Mas, dessa forma, de trazer o pacote, nunca tinha acontecido. Acho que apreendeu das brincadeiras que fazemos — relatou o policial militar Fabiano Oliveira, 43, que estava de plantão na ocasião.

A penitenciária Estadual de Caxias conta com seis cães de porte grande, que fazem a guarda e ficam entre as duas cercas que separam a cadeira das muralhas.

Leia também
Quase 2 toneladas de drogas foram apreendidas em Caxias do Sul no primeiro semestre
Incêndio que matou criança em Esmeralda pode ter começado com brincadeira com isqueiro
Justiça nega pedido para abertura parcial do comércio e de restaurantes em Farroupilha

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros