Denúncia feita pela comunidade levou à ação policial com dois mortos em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Combate ao tráfico05/06/2020 | 12h42Atualizada em 05/06/2020 | 13h12

Denúncia feita pela comunidade levou à ação policial com dois mortos em Caxias do Sul

Moradores do Euzébio Beltrão de Queiroz relataram à polícia que homens armados estavam intimidando as pessoas. Criminosos foram identificados

Denúncia feita pela comunidade levou à ação policial com dois mortos em Caxias do Sul Antonio Valiente/Agencia RBS
Moradores do Euzébio Beltrão de Queiroz relataram à polícia que homens armados estavam intimidando as pessoas Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Uma denúncia sobre cinco homens armados que estavam intimidando moradores do bairro Euzébio Beltrão de Queiroz, em Caxias do Sul, foi o que levou a Brigada Militar (BM) iniciar uma ação que terminou com dois mortos na noite de quinta-feira (4). Segundo informações do setor de inteligência da BM, os criminosos não seriam moradores do bairro e estariam naquele beco para proteger pontos de venda de drogas. O local é popularmente conhecido como Vila do Cemitério e contabiliza oito assassinatos em 2020.

Leia mais
Dois são mortos em troca de tiros com a Brigada Militar em Caxias do Sul
Prisão de dupla deve estancar sequência de assassinatos em Caxias do Sul
Em busca por autores de duplo homicídio, BM detém trio e apreende quatro armas em Caxias do Sul 

No final da manhã desta sexta-feira (5), o Instituto Geral de Perícias (IGP) identificou os dois mortos por meio da papiloscopia (comparação de digitais): Bruno de Oliveira França, 21 anos, é natural de Caxias do Sul e possuía passagem pelo sistema penitenciário por tráfico de drogas, e Alisson Bortolini Ferreira da Silva, 17, natural de Soledade, no Norte do Estado. Conforme o boletim de ocorrência, eles portavam uma pistola .380, um revólver calibre .38 e duas porções de maconha no momento em que foram mortos.

O relato da comunidade sobre o grupo que estaria armado no bairro Euzébio Beltrão de Queiroz chegou à BM ainda durante o dia de quinta-feira e mobilizou agentes do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM) e do 4º Batalhão de Polícia de Choque (4ª BPChoque). A primeira investida da polícia aconteceu ainda às 15h, mas nenhum suspeito foi localizado. Ao longo do dia, outras patrulhas estiveram no bairro na busca pelos criminosos armados.

O confronto aconteceu em um beco da Rua José do Patrocínio, por volta das 20h. O local é de difícil acesso, por isso os quatro PMs do BPChoque deixaram a viatura e fizeram a incursão a pé. 

— Foi na entrada do chamado Beco do Cantão, que é um conhecido ponto de tráfico. A informação é que eles estariam fazendo a segurança do local em função das últimas mortes e estariam lá para dar continuidade ao tráfico. O relato era sobre cinco indivíduos, mas só foram encontrados dois. Como é um aglomerado de casebres, é fácil a fuga, então outros envolvidos podem ter corrido — afirma o capitão Amilton Turra, subcomandante do 4ª BPChoque.

Para o oficial, a ação dessa quinta é uma continuidade da violência que vem sendo registrada no Euzébio Beltrão de Queiroz. Nos dias 24 e 25 de abril, quatro pessoas foram assassinadas durante dois ataques entre grupos rivais, o primeiro na Rua Henrique Cia e o outro neste mesmo beco da Rua José do Patrocínio. Na sequência destes crimes, três suspeitos foram detidos pela BM e outros dois capturados presos pela Polícia Civil. A Delegacia de Homicídios mapeou a rixa entre dois grupos de traficantes e afirmou que todos os atiradores haviam sido presos.

— É muito cedo para falar (sobre a relação com os quatro assassinatos anteriores). Afinal, já tínhamos prendido todos os envolvidos com aquelas mortes. A região tem droga, tem armas, tem desafetos e tem toda receita para esse tipo de violência — aponta o delegado Adriano Linhares.

Leia também
Brigada Militar apreende 310 pés de maconha em propriedade rural em Caxias
Com pandemia, violência doméstica tem os menores registros dos últimos oito anos
Depois de golpes envolvendo nomes de policiais no Vale do Caí, corporação emite alerta em Bento Gonçalves 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros