BM já autuou 40 situações de descumprimento das medidas contra pandemia em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Aglomeração é crime26/06/2020 | 11h15Atualizada em 26/06/2020 | 11h15

BM já autuou 40 situações de descumprimento das medidas contra pandemia em Caxias do Sul

Flagrados assinam termo circunstanciado e terão que se apresentar à Justiça

BM já autuou 40 situações de descumprimento das medidas contra pandemia em Caxias do Sul Brigada Militar / Divulgação/Divulgação
Foto: Brigada Militar / Divulgação / Divulgação

No quarto mês de enfrentamento da pandemia de coronavírus, as aglomerações continuam sendo a principal preocupação em Caxias do Sul. A fiscalização conjunta combateu encontros em postos de combustíveis, festas em sítios, um rodeio clandestino e até uma invasão ao Jardim Botânico — que estava fechado para visitantes. Situações que são crime, conforme o artigo 268 do Código Penal, e que a pena pode chegar a um ano de prisão. Em 96 dias, a Brigada Militar (BM) efetuou 40 termos circunstanciados e outros sete registros de pessoas infringindo regras para evitar propagação de doença contagiosa. A média é de três flagrantes por semana. Para combater esse cenário, foi publicado o novo decreto municipal, ampliando as sanções e multas para, talvez, conscientizar as pessoas pelo bolso.

Leia mais
Shoppings e mercados fechados aos domingos e parques sem aglomerações: confira novas regras da prefeitura de Caxias
Nordeste Gaúcho tem mais de 5 mil infectados pelo coronavírus
Sindicato promete auxiliar na fiscalização para garantir mercados fechados aos domingos em Caxias

As autuações feitas pela BM foram em locais públicos e, em maioria, em decorrência de situações de perturbação do sossego. Em regra, a fiscalização de comércios, bares e outras atividades foram deixadas para os agentes municipais. O que chama ainda mais atenção para estas 47 situações de flagrantes é que, seguindo a orientação estadual, a BM considera uma aglomeração quando há 30 ou mais pessoas reunidas.

— São pessoas aglomeradas em determinados locais, principalmente ruas e entorno de postos de combustíveis. Não fazemos a autuação do estabelecimento, mas sim das pessoas. A aglomeração em si constitui em um ilícito penal. É um número elevado — aponta o tenente-coronel Jorge Emerson Ribas, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM).

A maioria das denúncias sobre aglomerações é feita à prefeitura pelo Alô Caxias, no telefone 156. O canal já chegou a receber 600 informações por dia. No total, já foram 4,5 mil denúncias recebidas na pandemia.

— O encontro de duas ou três pessoas já pode configurar uma aglomeração. Estamos trabalhando para endurecer e prevendo sanções. É um absurdo. As pessoas deveriam ter a consciência de não ir a estes locais. A mesma coisa sobre uso de máscaras, pois tem o 1% que não aderiu. É uma minoria que prejudica toda a cidade — afirma o secretário de Urbanismo, João Uez.

O entendimento da prefeitura é que, mesmo com a mobilização na região para aumento de leitos de UTI da semana passada, a Serra voltará para bandeira vermelha, e talvez alcance a preta, se a população não se conscientizar que há uma situação de emergência sanitária.

— Existe uma parcela da população não está consciente, frequentando lugares e sem tomar os cuidados de saúde publicas. Estas ações e atividades podem geram o fechamento do comércio, indústria e impactar diretamente na economia da cidade — afirma Uez.

Aglomeração é crime. Não usar máscara também

Encontrar amigos para uma "cervejinha" ou um chimarrão pode parecer algo trivial, mas diante da situação de calamidade pública é crime. Em situações de aglomeração, a BM realiza autuação conforme o artigo 268 do Código Penal: infringir determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. Inicialmente, os fiscalizadores buscaram o bom senso e a conscientização da população, inclusive por meio de multas. Contudo, o passar dos dias na pandemia mostrou que uma parcela da população subestima o vírus e se recusa a seguir as medidas de prevenção.

— Sim, é necessário aplicar o 268. Quando uma pessoa está andando sem máscara, a Brigada, ao pará-la, verifica que fez aquilo deliberadamente e faz um termo circunstanciado, mostra que de fato a força do Estado está se impondo quando é necessário uma medida para resguardar a saúde pública. Existe um tipo penal dizendo que quem não cumpre a determinação está praticando o crime. Muitas pessoas só entendem a linguagem do Estado quando é feito uso da força policial. Se isso é o necessário, que assim seja feito — afirma o promotor Ronaldo Lara Rezende, que atua em Farroupilha.

O representante do Ministério Público cita o exemplo de um grupo de taxistas que se recusaram a usar máscaras de prevenção, pois não acharam necessário. Eles foram autuados pela BM e será ofertado um acordo para não responderem criminalmente. Em Farroupilha, este benefício de transação penal costuma ser estipulado em aproximadamente três salários mínimos — ou seja, R$ 3.135.

Foto: Brigada Militar / Divulgação

Como a pena prevista no artigo 268 o categoriza como crime de menor potencial ofensivo, os policiais efetuam um termo circunstanciado (TC). O cidadão flagrado pode assinar este documento de compromisso para se apresentar em audiência no Juizado Especial Criminal (Jecrim) em data a ser marcada. Caso a pessoa se recuse a assinar o TC, poderá ser presa em flagrante delito. A polêmica, como também acontece em outros crimes, é que a pena de um mês a um ano de detenção — o que possibilita o benefício de transação penal — é considerada baixa na atual situação.

— O Direito Penal não é suficiente, não serve para controlar estas questões de pandemia. Direito Penal é para crime grave. A sugestão é uma multa efetiva, que evite tais circunstâncias. O caminho é o Direito Administrativo, para dar uma resposta mais adequada e efetuar cobranças. E, claro, a manutenção de políticas públicas permanentes. O que fica difícil quando temos pouco interesse (de representantes públicos). Olha a situação que tivemos, um juiz federal ter determinar que o presidente (Jair Bolsonaro) se apresente de máscara quando estiver em público — aponta Ivandro Bitencourt Feijó, advogado criminalista e secretário-geral da OAB/Caxias.

O ponto central é que o crime é considerado de menor potencial ofensivo, um cenário que teria se alterado com o atual risco do coronavírus. Para o professor de Direito Penal, Edson Dinon Marques, os legisladores deveriam ter atuado e criado um texto especial para enfrentar estas situações em época de pandemia.

— Deveria ser criado algum tipo de norma repressora, mais rígida, com data de início e validade ao término da pandemia. Hoje é preciso usar a lei (em vigor), só que a detenção de um mês a um ano se transforma em um crime que o criminoso acaba negociando o seu agir contra lei com o Poder Judiciário. Só que enxergamos que esta exposição graciosa e gratuita nesta condição de pandemia não é de pouco potencial ofensivo, é de muito dado a letalidade da doença. Mas longe de imaginar que o Direito Penal, por si só, dissuadirá a intenção de um criminoso. Temos penas duras para alguns crimes e estes crimes continuam a acontecer — aponta o professor de Direito Penal da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Artigo 268
Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa:
Pena - de um mês a um ano de detenção, e multa.

Flagrantes pela BM em Caxias do Sul:
Março:
9 TCs e dois registros
Abril: 16 TCs e dois registros
Maio: 8 TCs e um registro
Até 22 de junho: 7 TCs e dois registros

*Os registros são feitos quando os policiais militares não identificam o autor do crime, o que fica a cargo da investigação pela Polícia Civil.

O Código Penal também prevê o artigo 132, que determina como crime "expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente". A pena é de três meses a um ano de detenção, se o fato não constituir crime mais grave. Há juristas e delegados que entendem que uma pessoa que sabe que está infectada pelo coronavírus e desrespeita a quarentena pode ser enquadrado neste crime. Na Serra, nenhuma pessoa foi indiciado em tal artigo em razão da pandemia.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros