Agricultora pediu por medidas protetivas 26 horas antes de ser morta pelo ex-marido em Vacaria - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Violência doméstica10/06/2020 | 18h56Atualizada em 10/06/2020 | 19h13

Agricultora pediu por medidas protetivas 26 horas antes de ser morta pelo ex-marido em Vacaria

Vítima procurou a Polícia Civil, mas não desejava representar judicialmente. Pedido de proteção foi negado pela Justiça por falta de elementos que evidenciassem a gravidade da ameaça

Agricultora pediu por medidas protetivas 26 horas antes de ser morta pelo ex-marido em Vacaria Reprodução/
A agricultora Carine da Silva Santos foi assassinada com uma facada Foto: Reprodução

A agricultora Carine da Silva Santos, 28 anos, solicitou medidas protetivas 26 horas antes de ser assassinada pelo ex-companheiro, em Vacaria. O pedido foi negado pela juíza plantonista por falta de elementos que evidenciassem a gravidade da ameaça. A mulher foi esfaqueada em frente à casa do pai, no bairro Cohab, onde tentava pedir ajuda. Testemunhas reconheceram Micael Lima Luz, 26 anos, como o autor do ataque. Ele é procurado pela Polícia Civil.

Leia mais
Mulher é morta a facadas por ex-companheiro em Vacaria

O pedido de ajuda aconteceu no final da tarde da última segunda-feira. Conforme o boletim de ocorrência, a agricultora relatou que estava separada há cinco meses e recebeu uma ameaça de morte em uma mensagem no telefone: "se não ficasse com ele, não ficaria com mais ninguém". Na Polícia Civil, Carine solicitou a medida protetiva, mas não quis representar judicialmente contra o ex-marido.

O registro foi feito às 17h43min e a solicitação foi recebida pelo Poder Judiciário às 18h20min. O caso foi analisado pela juíza plantonista Lilian Raquel Bozza, que é titular da 2ª Vara Cível e estava de plantão na noite de segunda-feira. Na decisão, assinada eletronicamente à 0h57min de terça-feira, a magistrada aponta que o pedido veio desassistido de qualquer outro elemento de prova acerca do episódio narrado.

— A ocorrência fala em ameaça por telefone. Mas a vítima não sabia informar o contato telefônico do suspeito. E também não queria representar criminalmente contra ele. O que, em princípio, não demonstrava gravidade a ponto de ser deferida a medida protetiva em sede de plantão. A cópia das mensagens com as ameaças não acompanhou a ocorrência. Ao menos não chegou para mim — argumenta a juíza.

Oficialmente, o casal não possuía histórico de violência doméstica. Segundo a Polícia Civil, Luz tinha antecedentes por furto, homicídio tentado e receptação. A juíza Lilian esclarece que o processo de receptação é de 2013, portanto, foi extinto e arquivado. O de furto segue em andamento, sem condenação. Já sobre o homicídio tentado, em 2017, não houve processo, pois o Ministério Público manifestou pelo arquivamento por falta de provas.

— Esses casos são muito difíceis de analisar, ainda mais em plantão, porque são poucos os elementos que acompanham a ocorrência policial. O Judiciário fica quase sem elementos probatórios para deferir medidas. Não se tratava de agressão física, mas, sim, de ameaça por telefone. E a vítima nem queria seguir o processo com o agressor. É lamentável que as ameaças tenham se concretizado e tirado a vida da Carine. Mas são situações imprevisíveis — comenta a magistrada.

Questionada sobre não ter recebido a cópia da ameaça por mensagem, a juíza Lilian Raquel evita dar um veredito:

— É difícil falar agora, depois de a tragédia ter ocorrido. Mas, com certeza, seria um elemento a mais para a análise do pedido. Lendo somente a ocorrência policial, que foi o que chegou até mim, o fato não parecia ser grave a ponto de serem deferidas medidas em plantão.

Responsável pela investigação do feminicídio, o delegado Vitor Boff relata que Carina foi atendida pelos policiais no pronto-atendimento. Segundo a Polícia Civil, 293 medidas protetivas foram solicitadas até maio nos 10 municípios da regional de Vacaria. De acordo com o fórum local, há 358 medidas em trâmite na cidade.

— Quem solicita é a vítima, é um direito dela de pleitear a medida protetiva. Esta medida de duas por dia é o número que temos, infelizmente. Existe um trabalho significativo no trabalho de alertar as pessoas e fomentar a rede de proteção, o que faz as pessoas procurarem o serviço. Não diria que seja um foco de maior criminalidade da região, mas sim que os órgãos atuam de forma significativa — afirma o delegado.

"O sonho dela era pagar os estudos dos filhos"

Mãe de três meninas, de cinco, sete e 10 anos, e um menino de oito anos, Carine sonhava em ver as crianças formadas na faculdade e com bons empregos. Natural de São Marcos, a jovem se mudou para Vacaria aos 15 anos, acompanhando a família que buscava por oportunidades.

— A minha irmã sempre foi feliz. Por mais que tivesse problemas, estava sempre sorrindo. Ela só queria criar os filhos. Tinha o sonho de sair do aluguel e comprar uma casa para criar eles. Ela dizia que só queria um serviço digno, que pudesse pagar uma escola e a faculdade para as crianças — conta Carolaine da Silva Santos, 23 anos.

Carina foi casada por sete anos com Micael Luz, que é o pai de seu caçula. A separação aconteceu há cinco meses. Segundo a família, Carina teria descoberto que o companheiro mantinha um segundo relacionamento. Quando visitava o filho, o ex-companheiro agredia Carina com tapas e teria quebrado um celular da mulher — fatos que não foram relatados à polícia.

— Ela falava que tinha medo, mas achava que ele não teria coragem de matar ela. Fui eu que fiz ela dar queixa. Fomos na delegacia, ela deu o depoimento e disseram que iam mandar para o juiz analisar. Não deu tempo. Ela foi morta no outro dia — lamenta a irmã.

Carine trabalhava na colheita de cenoura e morava a uma quadra da casa do pai, na Rua Theobaldo Borges. Os filhos presenciaram o início da briga com Micael Luz. Diante da agressividade do ex-marido, a agricultora tentou correr para a casa do pai. Carine foi agredida na via pública e levou uma facada no peito. Ela foi sepultada no cemitério São Francisco, no final da tarde de ontem.

Leia também
Homem é preso com 46 porções de maconha em Caxias do Sul
Paciente de Garibaldi que recebeu plasma convalescente está recuperado do coronavírus
Valor da conta de água causa indignação de moradores em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros