Com ruas vazias, ocorrências diminuem e PMs auxiliam na conscientização da comunidade em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia30/03/2020 | 14h43Atualizada em 30/03/2020 | 15h10

Com ruas vazias, ocorrências diminuem e PMs auxiliam na conscientização da comunidade em Caxias do Sul

Brigada Militar atua em parques e praças e ressalta importância do isolamento contra o coronavírus

Com ruas vazias, ocorrências diminuem e PMs auxiliam na conscientização da comunidade em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Ruas vazias, mas não abandonadas. Enquanto a maioria da população fica em casa contra a pandemia de coronavírus, policiais patrulham Caxias do Sul com atenção redobrada. A missão principal é evitar que delinquentes se aproveitem da situação de calamidade, além de passar segurança aos trabalhadores dos serviços de saúde, limpeza, mercados e farmácias. Ao mesmo tempo, os brigadianos orientam a população que insiste em sair de casa. Os PMs relatam que justamente uma parte do grupo de risco da covid-19 é a que continua a se expor em Caxias do Sul: os idosos.

Leia mais
Confirmada terceira morte por coronavírus no Rio Grande do Sul
Cinco partidos de Caxias do Sul pedem ao prefeito manutenção de medidas de isolamento social
Com decretos que liberam abertura do comércio, moradores de cidades na Serra voltam a circular

Para enfrentar este momento de pandemia, o 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM) distribuiu guarnições em ponto estratégicos da cidade, como praças, parques e vias que levam aos serviços essenciais. Comandante da Companhia de Operações Especiais (COE), tenente Cristiano Becker salienta que a BM está reforçando a segurança em razão da suspensão de férias, licenças e dispensas pelo governo estadual.

— Na teoria, ruas vazias tornam mais fáceis as ações de meliantes. Mas nosso policiamento está focado e estamos com o dobro do efetivo que normalmente patrulha as ruas. Nossos PMs estão orientados a ficarem atentos a agências bancárias, supermercados, farmácias e postos de combustíveis que precisam continuar à disposição da população — conta 

O tenente Becker viveu os dois lados do regramento social contra esta pandemia. No início da segunda quinzena de março, o brigadiano entrou em férias e viajou para Florianópolis, em Santa Catarina, como estava planejado com a esposa. Dois dias depois, retornou para a Serra.

— Estava em um hotel perto da praia, mas fechados no apartamento. À noite, com a minha esposa, decidi dar uma caminhada. Logo que saímos na rua, aproximou uma viatura e os policiais mandaram ir para casa, que não era para ninguém ficar nas ruas. Ordens diretas, a questão estava séria por lá. Logo depois, voltei para ajudar em Caxias. Aqui, estamos orientando com mais tranquilidade, pois a situação está mais controlada. Atuamos com parcimônia, até para evitar animosidades — relata o tenente que poderia estar aposentado há três anos, mas decidiu continuar a servir a comunidade.

Ocorrências diminuíram

De acordo com o 12º BPM, a primeira semana de restrições no comércio e atividades de lazer teve queda no número de ocorrências policiais, o que é considerado natural pela redução de pessoas nas ruas. O temor sobre um possível aumento de furtos e brigas domésticas não se concretizou. Os chamados ao 190 diminuíram em 23%. 

Entre os dias 12 e 18 de março, a BM recebeu 432 ligações. No dia 20, a prefeitura anunciou o decreto que restringia o funcionamento do comércio, e a maioria das escolas e universidades suspenderam as atividades. Nos sete dias seguintes, foram contabilizados 331 atendimentos.

Sobre crimes e contravenções, o comando do 12º BPM afirma que há uma visível redução em furtos, roubos, perturbação do sossego alheio e casos de violência doméstica. Contudo, as estatísticas não foram divulgadas. Outro número com redução sensível são os atendimentos a acidentes de trânsito, justamente pela menor quantidade de carros nas ruas.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 26/03/2020 -  BM nas ruas - como está o policiamento neste momento de crise. A cidade está vazia? O que os PMs tem encontrado? As pessoas aceitam as orientações de ficar em casa?  NA FOTO: Brigada em pontos estratégicos para oferecer segurança para a população. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)<!-- NICAID(14461997) -->
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Com mais PMs disponíveis e menos ocorrências em atendimento, os brigadianos auxiliam as autoridades municipais na orientação da população sobre a necessidade de ficar em casa e não se expor ao coronavírus. Policiais militares estão distribuídos nos chamados pontos base, locais de maior movimento e visibilidade para a população, como a Praça Dante Alighieri, a Casa de Pedra e os acessos aos bairros Desvio Rizzo e Cruzeiro. Também são realizadas blitze educativas para abordagens e orientações a motoristas.

Parques e praças continuam movimentados

No Rio Grande do Sul, não há restrição de cidadão que impeça as pessoas de irem às ruas. Os decretos em vigor limitam apenas a atuação de estabelecimentos e atividades de lazer. Desta forma, a atuação policial é apenas de conversar com as pessoas sobre os riscos do coronavírus e salientar as recomendações das autoridades médicas.

Um dos pontos nevrálgicos atendidos pela BM é a Praça Dante Alighieri. O trabalho mais incisivo começou na segunda-feira (23). Na terça-feira, os soldados Keila Caroline Ribeiro Flores, 22, e Jacir Robinson Júnior, 24, já haviam perdido a conta de quantas pessoas foram abordadas e orientadas a deixar a praça. É normal que algumas pessoas entendam a orientação, mas acabam não deixando os bancos. 

— Percebemos que a maioria levou a sério (o isolamento social), mas outros demonstram desconhecimento, não sabem como acontece o contágio ou não acreditam na pandemia. Querendo ou não, também estamos buscando esse conhecimento para poder falar com as pessoas. A maioria compreende e acata as medidas de precaução, voltando para casa — conta o soldado Fabiano de Souza, que há 22 anos compõe a Brigada Militar.

Na quinta-feira (26), o número "anormal" de atletas amadores no Parque dos Macaquinhos preocupou os policiais militares.

— Eram esportistas que estavam usando o parque, pois as academias estão todas fechadas. Há quem não entenda a complexidade do vírus, pois é muita informação nas mídias e as pessoas não assimilam tudo. Conversamos e algumas pessoas aceitaram, mas outras resistiram alegando falta de opção. A resposta mais comum é que (se não podem usar o parque) iriam caminhar pelas ruas. Querem manter sua rotina de exercícios — relata o soldado De Souza.

Os PMs sabem que também estão expostos, mas tentam manter a distância segura e apelam ao uso constante do álcool gel e, quando possível, lavam as mãos com água e sabão. Além de monitorar a população, os policiais precisam estar atentos ao movimento de suspeitos.

O tenente Valderi Quadros, que também precisa ir às ruas, diz que os colegas adotaram alguns procedimentos básicos. Na condução de um preso, por exemplo, o ideal é que ele use uma máscara tanto para a própria proteção como para a proteção dos policiais. O oficial relata que a estratégia é trabalhar em parceria com outros órgãos em barreiras solidárias e circular em parque e praças. 

— Não tem como fechar o Parque dos Macaquinhos, então, passamos ali e solicitamos a saída. Nada é coercitivo. Quem é necessário para a cidade, está trabalhando. Os que podem estar em casa, infelizmente, insistem em ficar na rua — complementa o tenente Quadros.

Leia também
Homem é preso com três armas e diversas drogas em Caxias do Sul
Traficante é preso com mais de um quilo de drogas em Nova Petrópolis
VÍDEO: Incêndio criminoso destrói casa em Bento Gonçalves

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros