Apesar da redução de roubos em Caxias, polícia alerta para migração de criminosos para furtos e estelionatos - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Segurança09/02/2020 | 15h30Atualizada em 09/02/2020 | 15h30

Apesar da redução de roubos em Caxias, polícia alerta para migração de criminosos para furtos e estelionatos

Em 2019, mais de 1,6 mil estelionatos foram registrados em Caxias.

A redução dos roubos em Caxias do Sul merece ser comemorada, mas a média de seis assaltos por dia ainda é uma preocupação. Outro alerta das lideranças policiais é sobre a migração de bandidos para crimes de estelionatos e furtos, delitos que dificilmente resultam em prisão e trazem grande prejuízo às vítimas.

Leia mais
Caxias do Sul tem o menor número de assaltos em 17 anos
Para evitar que novas vítimas caiam em golpes, MP e polícia criam cartilha contra estelionatos em Caxias

Conforme o Código Penal, o furto qualificado tem pena de dois a oito anos de reclusão. A previsão para estelionato é ainda menor: de um a cinco anos. Em regra, penas menores podem ser cumpridas em regime aberto, em que não cabe medida preventiva, o sentimento é de impunidade.

— Deixaram de cometer os crimes com emprego de violência para a prática de furtos e os estelionatos. É importante essa redução nos roubos de veículos, mas no furto de veículo não vemos a mesma diminuição. Eles sabem que a pena de furto não é restritiva de liberdade — analisa o delegado Vítor Carnaúba.

— O que interessa ao criminoso efetivamente é o bem, o lucro, e não a maneira como é obtido. Existe a tendência de migração. Estelionatos são um grande problema. A vantagem ilícita, o dinheiro, é obtido em um golpe que não oferece risco para o criminoso e, por vezes, com vantagens muito maiores — aponta o tenente-coronel Jorge Emerson Ribas, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM).

As lideranças policiais ressaltam que um pouco mais de atenção das vítimas seria suficiente para evitar os golpes. Em 2019, mais de 1,6 mil estelionatos foram registrados em Caxias. É o único crime que continua em crescimento no Estado.

— A tecnologia também propiciou isso. Eles não aparecem fazendo o crime, pois trabalham por aplicativos de comunicação, redes sociais, e podem atuar no Brasil inteiro. Você está em Caxias do Sul e pode estar sendo enganado por alguém em São Paulo. Fica mais difícil a investigação. É uma forma de ganhar dinheiro menos prejudicial para ele e que gera menos prisões — concorda o delegado Carnaúba.

Outra mudança no comportamento criminal envolve dependentes químicos. Apontados pela elevação do número de roubos a pedestres, usuários de crack se especializaram em furtar materiais que podem ser vendidos em reciclagens.

— Percebemos eles praticando muitos furtos, de qualquer material que possa render ganho: alumínio, hidrômetros, fios de cobre, qualquer coisa de metal... Todos os dias, os números continuam, mesmo que muitas vítimas não registrem. (Os usuários) arrumaram uma forma menos violenta para sustentar o seu vício — relata o delegado.

Leia também  
Idosa atingida por tiro na cabeça morre no hospital em Caxias do Sul
Jovem de 16 anos é o terceiro a ser assassinado em Bento Gonçalves neste ano
"Não vamos descansar até que os culpados sejam punidos", disse a mãe de Tiago  

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros