Voluntários denunciam suposta agressão sexual contra cão em Bom Jesus - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Proteção animal28/01/2020 | 16h16Atualizada em 28/01/2020 | 17h48

Voluntários denunciam suposta agressão sexual contra cão em Bom Jesus

Grupo protestou na tarde desta terça-feira contra casos de violência contra bichos na cidade

Voluntários denunciam suposta agressão sexual contra cão em Bom Jesus Lindomar Santos / divulgação/divulgação
Grupo protestou na tarde desta terça-feira contra casos de violência contra bichos na cidade Foto: Lindomar Santos / divulgação / divulgação

Integrantes do grupo de voluntários Bicho de Rua se reuniram na tarde desta terça-feira (28) em frente da delegacia de Bom Jesus para protestar contra casos de violência contra animais na cidade. Algumas situações, segundo os voluntários, são classificadas como zoofilia. O último caso de agressão ocorreu na manhã desta terça na praça central do município, com um cachorro que vive na rua, mas é cuidado pela comunidade. Naira Bortolloto, uma das voluntárias envolvidas no protesto, conta que o bicho vive na área central e é chamado de Cristão. Ele foi encontrado sangrando e com lesões na região do ânus.

— Achamos que ele foi estuprado em função dos ferimentos encontrados. O Cristão é o primeiro a entrar na igreja assim que o padre abre as portas. Ele fica nas missas e é muito dócil e querido.  É revoltante porque pelo menos uma vez por mês temos suspeitas de casos parecidos. Não vamos nos calar. Queremos providências das autoridades porque sabemos quem cometeu esses crimes, mas o processo sempre esbarra na falta de provas. Por isso precisamos da ajuda da polícia. Algo precisa ser feito. Isso não pode ficar assim! — indigna-se ela.

Proprietário de uma padaria no Centro, Gelson Barbosa dos Santos, conta que Cristão estava em frente ao estabelecimento por volta das 6h30min desta terça:

— Ele está sempre aqui me esperando. Eu dei comida e água para ele como todos os dias e ele saiu em direção à praça. Uns 20 minutos depois ele voltou chorando e com muito sangue escorrendo pelas patinhas. Levamos ele no veterinário, estava com a respiração ofegante. Amamos os animais e cuidamos dos que ficam aqui pelo Centro. É inaceitável o que fizeram com ele!

Após saber da agressão, o padre Lindomar Santos também convocou a comunidade para se mobilizar e buscar justiça.

— Cristão foi adotado pela comunidade católica da Paroquia do Senhor Bom Jesus. Há mais de dois anos ele frequenta  regularmente as missas na Igreja Matriz. É um cão de rua que é conhecido e amado por todos — diz.

O padre ainda afirma que a comunidade está perplexa e indignada com o que está acontecendo em Bom Jesus: 

— As agressões sofridas por ele deixaram a comunidade perplexa. Há um sentimento de revolta e, ao mesmo tempo, de tristeza. O Cristão não é agressivo, ele busca e aceita o carinho de todos, não percebe a maldade que há no coração de alguns humanos — desabafa o padre.

Cristão teve lesão anal

O veterinário Nicolas Boschi Vianna atendeu Cristão logo depois do cão ter sido atacado nesta terça e afirma que o caso pode ser tratado como zoofilia, mas faz ressalvas:

— Teria que ser feito um exame mais detalhado. O ferimento pode ter sido provocado por um pedaço de madeira ou outro objeto, por exemplo, o que não minimiza a violência contra o cão.

Ele explica que o cachorro foi medicado e se recupera da agressão.

— Ele foi medicado e está em um local seguro para se recuperar. Para o animal, um ato assim é sempre uma agressão e uma violência — ressalta.  

Polícia irá investigar o caso desta terça-feira

A Brigada Militar (BM) foi acionada para atender a ocorrência, mas os policiais não encontraram os supostos autores do ataque ao cão. O delegado Vítor Fernando Boff, que responde por Bom Jesus, afirma que a Polícia Civil não foi comunicada sobre os casos. Ele explica que em casos casos de zoofilia ou agressões contra animais é essencial que um boletim de ocorrência seja registrado. Isso servirá para que a polícia tenha elementos para começar uma investigação.

— Sobre esse caso mais recente, de hoje, já determinei que fosse efetuado o registro, antes mesmo que o boletim fosse feito pelos voluntários, já que há elementos para serem verificados a respeito dessa violência contra o animal.

Ele ressalta que, em conversa com os investigadores, apurou que há indicação de possíveis autores:

— Vamos buscar testemunhas e colher declarações dessas pessoas apontadas como suspeitos para encaminhar o processo à Justiça.

O QUE DIZ A LEI

De acordo com Lei de Crimes Ambientais 9.605/98, quem abusar, ferir ou mutilar animais silvestres domésticos ou domesticados (nativos ou exóticos) poderá ser detido por um período que varia de três meses a um ano e também pagará multa. Caso o animal morra em decorrência da violência sofrida, a legislação em vigor estabelece o aumento da penalidade.

Leia também
Homem é julgado por assassinato a facadas no bairro Jardelino Ramos, em Caxias do Sul
Guarda Municipal de Farroupilha reforça vigilância nos cemitérios após série de furtos
Escola de Educação Infantil reabre após cinco anos em Caxias 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros