Réu é julgado pelo assassinato de sobrinho em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Júri12/12/2019 | 09h13Atualizada em 12/12/2019 | 09h15

Réu é julgado pelo assassinato de sobrinho em Caxias do Sul

Conforme a denúncia, réu e vítima cometiam crimes juntos

Réu é julgado pelo assassinato de sobrinho em Caxias do Sul Roni Rigon/Agencia RBS
Corpo da vítima estava próximo ao Arroio Tega, no Vale da Esperança Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Três anos após o crime, Paulo Edson Chaves Braga responderá pelo assassinato do seu sobrinho Robin Braga Schneider, 25 anos, em Caxias do Sul. O crime foi descoberto no dia 30 de junho de 2016, quando a vítima foi executada próximo ao Arroio Tega, no loteamento Vale da Esperança. O júri está marcado para as 9h30min desta quinta-feira (12).

Leia mais
Rapaz teria sido assassinado por familiar em Caxias do Sul

Conforme a denúncia do Ministério Público (MP), tio e sobrinho costumavam praticar crimes juntos e a desavença teria acontecido quando combinavam a divisão dos produtos destes delitos. Os dois se encontraram e seguiram com um Peugeot 307 até a Rua Adriano Norberto Mussol. Os dois desembarcaram e ingressaram em um matagal, onde Braga teria efetuado três tiros contra Schneider.

Na investigação, a Polícia Civil demonstrou que os celulares da vítima e réu estavam no local e horário do crime. Também foram colhidos depoimentos sobre a relação de tio e sobrinho. Dentro do Peugeot 306, os policiais encontraram celulares, uma televisão e um notebook, aparentemente novos e sem procedência esclarecida — o que indica serem resultado de crimes.

Em seu depoimento, Braga negou o homicídio e apontou que seu sobrinho era usuário de drogas e possuía desavenças. Sobre o dia do crime, o réu confirmou que se encontrou com a vítima, mas alegou que deixou Schneider no Centro e só ficou sabendo da morte dele horas depois. Braga não soube explicar o motivo do sinal de seu celular apontar para a região do crime.

O réu é acusado de homicídio qualificado por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Na denúncia, o Ministério Público ressaltou que o réu é reincidente. Braga está em prisão preventiva desde setembro de 2018.

Leia também
Homem e dois jovens são detidos depois de agredir funcionários de loja em Caxias
Homens armados roubam carga de salgadinhos em Caxias
Mulher e jovem são presas por furto a loja em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros