Morre venezuelana atacada com líquido ácido em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Homicídio por meio cruel13/12/2019 | 10h07Atualizada em 13/12/2019 | 13h37

Morre venezuelana atacada com líquido ácido em Caxias do Sul

Suspeita inicial é que autor seja um ex-namorado

Morre venezuelana atacada com líquido ácido em Caxias do Sul Arquivo pessoal / Divulgação/Divulgação
Foto: Arquivo pessoal / Divulgação / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Atacada com o que aparenta ser ácido, a venezuelana Ariana Victoria Godoy Figuera, 24 anos, morreu no início da manhã desta sexta-feira (13) em Caxias do Sul. O crime aconteceu em frente à casa da vítima na rua Cristiano Ramos de Oliveira, no bairro Desvio Rizzo, e foi registrado como homicídio por meio cruel. O caso é investigado pela Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam). Ariana deixa um filho de quatro anos e uma filha de um ano.

Leia mais
Jovem tem rosto queimado com líquido ácido em Caxias

Segundo familiares, o suspeito inicial é um ex-namorado que Ariana teve em Roraima. Conforme a família relatou à polícia, ela vivia em Boa Vista, onde já havia procurado a polícia local em 25 de setembro para relatar uma agressão do então namorado. Ainda segundo os familiares de Ariana, ela deixou a capital de Roraima para fugir do agressor, que teria seguido a jovem até o Rio Grande do Sul.

De acordo com o boletim policial, o ataque aconteceu por volta das 22h30min da quinta-feira (12). A mãe de Ariana relatou que a filha chegava em casa quando, no portão, foi chamada por uma pessoa. Quando a moça olhou, o agressor arremessou um líquido no rosto da vítima, que gritou de dor. O suposto ácido causou diversas queimaduras no rosto e peito de Ariana.

A família tentou acionar o Samu, mas, diante da demora, utilizou um aplicativo de carona para levar a jovem até a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Zona Norte. Devido à gravidade dos ferimentos, Ariana foi transferida para o Hospital Pompéia. O óbito foi declarado pouco depois das 7h desta sexta-feira (13), após os familiares serem comunicados.

O agressor fugiu correndo logo após o ataque. Após ser acionada pelo hospital, a Brigada Militar (BM) ouviu familiares da vítima e realizou buscas, mas ninguém foi preso.

Caso confirmada a suspeita da família, este seria o quinto feminicídio (morte de mulher em razão do gênero) registrado em Caxias do Sul em 2019. No total, o ano contabiliza 84 assassinatos na cidade.

Pelo relato por telefone, Samu não constatou urgência no caso 

Procurado pela reportagem sobre a suposta demora no atendimento, o Samu, por meio da assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde, respondeu que o relato por telefone não demonstrava ser um caso de extrema urgência e que recomendou que a vítima fosse levada por familiares até a UPA Zona Norte. Confira a nota emitida no início da tarde desta sexta-feira (13):

Por volta de 00h15, já na madrugada desta sexta-feira (13), a irmã da vítima entrou em contato com o SAMU. A ligação durou cerca de 3 minutos e ela explicou para a médica plantonista que havia sido jogado um líquido na cara da sua irmã e que estava ardendo e começando a ficar vermelho. Não foi dito que seria enviada uma ambulância do SAMU justamente pela descrição da situação não aparentar ser de extrema urgência. Pela descrição dada, a médica recomendou que a Ariana fosse levada até a UPA Zona Norte para fazer uma lavagem na região e aguardar uma consulta com o oftalmologista. Durante a madrugada, uma equipe do SAMU realizou o transporte dela da UPA até o Hospital Pompéia. 

Casos envolvendo queimaduras com ácido assustaram moradores de Porto Alegre

O ataque à venezuelana lembrou uma série de crimes em Porto Alegre neste ano: cinco pessoas foram vítimas de ataques com ácido na zona sul da Capital entre os dias 19 e 21 de junho. O homem que atacou a dona de casa  Bruna Machado Maia, 27 anos, a primeira vítima, estava em uma bicicleta e usava um capuz branco para tentar cobrir o rosto.

O crime aconteceu na Rua Santa Flora. Quando percebeu que ele se aproximava, Bruna chegou a trocar o lado da calçada, mas foi seguida pelo criminoso. Ele carregava uma garrafa pet transparente na mão direita. "Olha a água!", gritou ao arremessar o líquido.

Leia mais
"Dei dois passos, aquilo queimou e eu saí correndo", conta mulher que teve rosto ferido em ataque com ácido em Porto Alegre
Justiça nega soltura de homem acusado de ataques com ácido em Porto Alegre

Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil prendeu o empresário Wanderlei da Silva Camargo Júnior, 48 anos.  Ele está preso preventivamente desde outubro. Informalmente, o investigado disse aos policiais que pretendia mostrar à ex-companheira que os locais que ele frequenta não eram seguros — os ataques foram em trajetos que ela usava. Assim, queria convencê-la a morar com ele no Paraná. Segundo a polícia, as vítimas foram escolhidas aleatoriamente.

Na semana passada, o Tribunal de Justiça negou um pedido da defesa e decidiu manter preso o acusado. Conforme a decisão, a manutenção da prisão preventiva é necessária para "garantia da ordem pública". Camargo Junior está recolhido preventivamente desde outubro, quando foi detido pela Polícia Civil no Paraná, e é réu desde o dia 22 do mesmo mês.

Leia também
Homem é preso vendendo drogas próximo ao parque Cinquentenário em Caxias
Assaltantes roubam carro e agridem motorista de aplicativo com coronhada na cabeça em Caxias
Homem tenta furtar carro e é detido e amarrado por populares em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros