Réu irá a júri por matar irmão em salão paroquial de São Marcos - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Justiça21/11/2019 | 16h37Atualizada em 21/11/2019 | 16h37

Réu irá a júri por matar irmão em salão paroquial de São Marcos

Julgamento acontece um ano e dez meses após o crime em Pedras Brancas

Pioneiro
Pioneiro

Um ano e dez meses após o crime, Vilmar Novello, 55 anos, irá a júri em São Marcos acusado do assassinato do irmão, Danillo Novello, 50. O crime aconteceu no salão paroquial da Comunidade Santa Catarina, na localidade de Pedras Brancas, na tarde de 21 de janeiro de 2018. Conforme a denúncia do Ministério Público (MP), o homicídio foi motivado por desavenças familiares e disputas de terra. O julgamento se inicia às 9h30min desta sexta-feira (22) no fórum.

Leia mais
Irmão entrega revólver e confessa assassinato no interior de São Marcos
Vingança é um dos motivos do assassinato de homem pelo irmão em São Marcos 

Na dia do assassinato, o salão paroquial recebia dois eventos: um jogo de cartas e um chá de fraldas. Segundo a denúncia, Danillo foi alvejado por seis tiros pelas costas enquanto jogava cartas com um grupo de pessoas. O MP ressaltou que o ataque resultou em perigo comum, tendo em vista o número de pessoas que se encontravam no salão.

Durante o processo, a defesa técnica de Vilmar alegou que a prova produzida era frágil e baseada somente nos depoimentos do filho e conhecidos da vítima. O réu afirma que agiu em legítima defesa, pois teria sido provocado e teria visto que Danillo portava uma faca.

Após a sentença de pronúncia, Vilmar foi autorizado a responder ao processo em liberdade pois, segundo a decisão, o réu não era adepto à prática criminosa e possuía residência fixa e emprego lícito. Na ocasião, a magistrada Ana Paula Della Latta aplicou medidas cautelares, como a proibição de se aproximar dos familiares da vítima, de frequentar bares e de se ausentar da cidade.

Esta liberdade do acusado foi o que mais incomodou a família de Danillo.

— Espero que, finalmente, a justiça seja feita. Somos vizinhos dele e ele continua solto. Ficou apenas três meses na cadeia. Teoricamente, está em prisão domiciliar (medidas cautelares), mas toda hora é visto nos bares da região. Um caso desse, com uma morte covarde pelas costas, deveria ter ficado preso — reclama Dener Novello, 24 anos, filho da vítima.

Caso condenado conforme a denúncia do MP, a pena prevista para homicídio qualificado varia entre 12 e 30 anos.

Leia também
Pardais serão reinstalados em rodovias estaduais em três meses
Quer ver a chegada do Papai Noel em Canela? Saiba quando a atração ocorre
Prefeitura de Farroupilha irá pagar até R$ 10 mil por mês a organizações que atuarem na reciclagem de lixo

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros