Dois são indiciados por amarrar e filmar colega surdo em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Tortura22/10/2019 | 17h36Atualizada em 22/10/2019 | 17h36

Dois são indiciados por amarrar e filmar colega surdo em Caxias do Sul

Investigados admitiram participação, mas alegaram que intenção era de uma brincadeira

Dois são indiciados por amarrar e filmar colega surdo em Caxias do Sul reprodução/
Foto: reprodução

A Polícia Civil indiciou dois homens por tortura contra o jovem surdo de 22 anos que foi amarrado e filmado por colegas de trabalho em uma área de acesso restrita a funcionários do supermercado Andreazza, em Caxias do Sul. De acordo com o delegado Vitor Carnaúba, o açougueiro de 26 anos e o repositor de 42 anos prestaram depoimento e admitiram participação no vídeo, mas alegaram que não tinham intenção de ofender a vítima e que se arrependeram dos fatos, pois era para ser uma brincadeira que evoluiu para algo que não tinham a intenção.

Leia mais
VÍDEO: polícia investiga tortura praticada por colegas contra surdo em supermercado
"Não criei um filho para passar por isso", diz mãe de jovem surdo amarrado em Caxias

No depoimento, os indiciados afirmaram que as brincadeiras com a vítima eram constantes, mas que nunca tiveram a intenção de ofender ou de agredir o colega surdo. O autor das imagens também admitiu ter compartilhado o vídeo nas redes sociais — novamente alegando que pensava ser uma brincadeira.

Sobre outros possíveis envolvidos, o delegado Carnaúba afirma que apenas estes dois indiciados faziam as brincadeiras. Outros colegas foram ouvidos pela investigação como testemunhas, mas acreditavam que os atos tratavam-se de brincadeiras entre os envolvidos e não deram a devida importância aos fatos.

A reportagem procurou o advogado Vinicius de Figueiredo, que representa o autor do vídeo. O defensor aponta que seu cliente prefere não se manifestar, mas que admitiu a brincadeira e reconhece que passou dos limites. O defensor ressalta que o seu cliente não tinha a intenção de causar sofrimento à vítima. O advogado Juarez Dambros, que representa o açougueiro indiciado, afirma que a defesa só pretende se manifestar em juízo.

O delegado Vitor Carnaúba não divulgou a identidade dos dois indiciados por tortura alegando que eles não são criminosos contumazes — ambos não possuem antecedentes criminais. O inquérito foi remetido à Justiça no início desta semana e, na sequência, deverá ser analisado pelo Ministério Público (MP).

Ministério Público do Trabalho analisa situação na empresa

No entendimento da Polícia Civil, o crime foi praticado apenas pelos dois funcionários indiciados. Ambos foram demitidos por justa causa logo que a empresa tomou conhecimento do fato, após a divulgação das imagens em redes sociais. Em nota, o Grupo Andreazza repudiou as ações dos dois ex-funcionários e informou que trabalhava no acolhimento da vítima.

Após o acontecido, o Ministério Público do Trabalho (MPT) em Caxias do Sul instaurou um inquérito civil para apurar a conduta do supermercado diante das "condutas intoleráveis e repugnantes envolvendo trabalhador com deficiência". Procurado pela reportagem, o procurador Rodrigo Maffei resumiu que o inquérito civil segue em andamento, com algumas diligências já realizadas e um encontro está sendo agendada com o supermercado Andreazza. Inicialmente, a audiência aconteceria nesta quinta-feira (24), mas a empresa solicitou uma nova data — que será agendada para novembro.

Leia também
Homem é esfaqueado e baleado no interior de Caxias do Sul
Garantido empenho de R$ 3 milhões para projeto do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias
Lagoa rompe duas vezes em 12 dias, mata dezenas de peixes e deixa prejuízo em hotel

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros