Com 25 assassinatos, Bento Gonçalves é a 9ª cidade com mais mortes no RS - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Até julho09/08/2019 | 18h15Atualizada em 09/08/2019 | 18h15

Com 25 assassinatos, Bento Gonçalves é a 9ª cidade com mais mortes no RS

Números da SSP colocam a Capital do Vinho à frente de Santa Maria e Novo Hamburgo, que têm o dobro da população

Com 25 assassinatos, Bento Gonçalves é a 9ª cidade com mais mortes no RS Porthus Junior/Agencia RBS
Aumento de homicídios levou Consepro a reivindicar por mais policiais da nova turma Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Bento Gonçalves é o nono município gaúcho com mais assassinatos em 2019, conforme os dados divulgados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP). Com 25 homicídios até o final de julho, a Capital do Vinho está a frente de municípios que tem o dobro de sua população, como Santa Maria e Novo Hamburgo. Porém, esta violência elevada só aparece no índice de homicídios. Nas estatísticas de roubos e furtos, Bento Gonçalves aparece na 25ª e 26ª posição no estado, respectivamente.

Leia mais:
Entidades de Bento Gonçalves cobram mais efetivo policial diante do aumento da violência
Atlas da Violência: Bento Gonçalves é a 9ª cidade mais violenta do RS
Governo do RS anuncia novo Batalhão de Choque e Serra ganhará 110 PMs em agosto
Saiba por que 2018 é o ano mais violento na história de Bento Gonçalves

Os números evidenciam um sentimento ambíguo que é vivido pelos moradores desde o ano passado. As notícias de tiroteios e execuções em plena luz do dia assustam, por outro não há um sentimento de insegurança espalhado, principalmente para quem caminha na área central, e os turistas continuam a visitar a cidade e as vinícolas.

— Não é uma situação de violência da cidade, é uma situação pontual de briga por ponto de venda de drogas. Não interfere nas atividades da cidade. Não podemos misturar as coisas porque seria uma grande mentira — declarou o prefeito Guilherme Pasin (PP) em entrevista ao Pioneiro no dia 10 de junho, após uma chacina com cinco mortes no bairro Municipal.

Foto:

O crescimento nos homicídios, que se repete há cinco anos, é explicado pela disputa entre facções pelo domínio sobre a venda de drogas. Desta forma, as execuções ficam concentradas em bairros periféricos.

— Quem é atingido por estes homicídios, normalmente, são pessoas ligadas ao crime. Por isso, não afeta tanto (a população). O crime patrimonial influencia mais para existir uma sensação de insegurança na comunidade, o que não está acontecendo em Bento — aponta o capitão Rogério Schuh, da Brigada Militar (BM).

— De fato, não há um temor de andar na rua e ser assaltado. Mas, o homicídio é o crime mais grave e um índice de estatística de segurança pública, base e orientação para os planos estratégicos das polícias Civil e Militar. Embora as pessoas possam achar que não irá atingir as chamadas pessoas de bem, precisamos combater — corrobora a delegada Maria Isabel Zerman Machado.

O desafio das forças policiais, portanto, é ampliar o combate as facções e ao tráfico de drogas, que motivam os homicídios, sem perder o controle sobre os crimes patrimoniais. A dificuldade é a mesma citada em outros municípios gaúchos: a falta de efetivo.

Homicídios em crescimento

Bento Gonçalves contabiliza 33 assassinatos em 2019. No mesmo período do ano passado, eram 30 casos. A tendência é que a Capital do Vinho aumente o número de mortes por violência pelo sexto ano consecutivo.

Em 2018, o município registrou 52 assassinatos, o que corresponde a uma taxa de 43,68 por 100 mil habitantes, considerando a população de 119.049 pessoas estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta média de mortes por população coloca a Capital do Vinho entre 85 municípios mais violentos do Brasil, conforme o Atlas da Violência divulgado nesta semana sobre os dados de 2017. 

O levantamento nacional feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que, há dois anos, a Capital do Vinho já era a cidade mais violenta do interior do RS, com uma taxa de 33,9 por 100 mil habitantes. A publicação levou o Conselho Comunitário Pró-Segurança Pública (Consepro) de Bento Gonçalves a reivindicar mais policiais junto ao governo estadual.

Leia também:
Órgãos de segurança de Bento passam a atender chamados de forma integrada
Amigos procuram por homem desaparecido no distrito de Vila Oliva, em Caxias
Corpo é encontrado em porta-malas de veículo em Gramado

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros