Mulher vai a júri por assassinato de irmã em Bento Gonçalves - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Justiça11/07/2019 | 10h25Atualizada em 11/07/2019 | 10h25

Mulher vai a júri por assassinato de irmã em Bento Gonçalves

Elas dividiam apartamento e antes do crime teriam discutido por questões familiares

Pioneiro
Pioneiro

Quase dois anos após o crime, Ana Paula Marim Bitencourt, 34 anos, irá a júri em Bento Gonçalves pelo assassinato da irmã Aparecida de Fátima Marim Bitencourt, 44. As duas compartilhavam um apartamento no bairro São Francisco e, segundo a investigação policial, teriam discutido por questões familiares antes do crime. Aparecida foi morta por asfixia e atingida por inúmeros golpes de faca. Ana Paula é acusada de homicídio qualificado por meio cruel e estava recolhida preventivamente na Presídio Estadual de Lajeado. O Tribunal do Júri ocorre nesta quinta-feira (11).

Leia mais:
Irmã se apresenta na delegacia e confessa assassinato em Bento Gonçalves
Assassinato em Bento Gonçalves pode ter sido cometido por irmã da vítima

O crime aconteceu no dia 2 de agosto de 2017. Conforme a denúncia do Ministério Público (MP), Ana Paula estava morando há poucos meses na residência da irmã e, após desentendimentos, asfixiou Aparecida e a atacou com inúmeros golpes de faca no peito. Para despistar vizinhos que ouviram gritos de socorro, Ana Paula se passou pela irmã e impediu a entrada de policiais militares.

No dia seguinte ao crime, a denunciada novamente se passou pela irmã e utilizou o celular de Aparecida para mandar mensagens ao síndico do prédio, pedindo desculpas pelo tumulto da noite anterior, e para a empregadora da vítima, dizendo que não poderia trabalhar como cuidadora de idosas naquele final de semana.

Na época do crime, Ana Paula confessou o homicídio à Polícia Civil. Em seu depoimento em juízo, contudo, a ré negou a autoria. Porém, ela referiu que, por vezes, tinha surtos e "saia de si".

— Talvez eu até possa fazer uma coisa que depois eu não lembre mais — afirmou a ré na ocasião, que também admitiu ter discutido com a vítima em outro dia, sobre questões familiares, porque "estava tentando ajudá-la".

Leia também:
Corpo encontrado ao lado de cofre é de homem sequestrado em Caxias do Sul
Polícia Civil afirma ter encontrado arsenal de assaltantes de banco, em Caxias do Sul
Casal é preso após quebrar vitrine de loja no centro de Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros