Motorista de van que deu carona a mulher encontrada morta na Serra é indiciado por homicídio  - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Flores da Cunha26/03/2019 | 20h42Atualizada em 27/03/2019 | 09h51

Motorista de van que deu carona a mulher encontrada morta na Serra é indiciado por homicídio 

Polícia Civil também concluiu que ele omitiu socorro a Samara de Souza Pereira, 36 anos

Motorista de van que deu carona a mulher encontrada morta na Serra é indiciado por homicídio  /
Imagens mostram van perseguindo mulher pelas ruas centrais de Caxias do Sul

A Polícia Civil indiciou por homicídio com dolo eventual e omissão de socorro o motorista da van que deu carona para Samara de Souza Pereira, 36 anos. Ela foi encontrada morta às margens da ERS-122, em Flores da Cunha, no dia 18 de fevereiro. Conforme a delegada Aline Martinelli, a necropsia apontou que o ferimento que a vítima tinha na cabeça foi resultado da queda da van. 

Leia mais:
Polícia Civil prende motorista de van que perseguiu mulher encontrada morta na Serra  
Polícia procura por van branca que perseguiu mulher encontrada morta na Serra
Polícia Civil descarta que atropelamento tenha causado morte de mulher na Serra 

A delegada explica que não é possível definir se ela pulou ou foi forçada a deixar o veículo. O indiciamento por homicídio com dolo eventual levou em consideração que o motorista assumiu o risco de morte ao persegui-la oferecendo carona. Já a omissão de socorro é pelo fato de o motorista, de 46 anos, ter deixado a mulher no local sem fornecer auxílio. 

De acordo com Aline, a versão do indiciado é de que Samara pulou. No entanto, a delegada considerou que é incomum alguém sair de um veículo em movimento sem motivo. Além disso, a mulher morava no bairro Vila Ipê, em Caxias do Sul, para onde seguia após sair de uma festa na Estação Férrea, e o motorista a levou até Flores da Cunha. 

A Polícia Civil ainda aguarda laudos solicitados ao Instituto Geral de Perícias (IGP) sobre material encontrado embaixo das unhas da vítima e do exame feito na van. Conforme a delegada, o inquérito foi concluído mesmo sem esses documentos porque havia prazo, já que o suspeito foi preso. O nome dele não é divulgado pela polícia.

Leia também:
Campanha busca coibir comércio ilegal em Bento Gonçalves

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros