Estelionato faz 1,8 mil vítimas na Serra e preocupa policiais  - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Fique alerta06/12/2018 | 20h01Atualizada em 06/12/2018 | 20h09

Estelionato faz 1,8 mil vítimas na Serra e preocupa policiais 

Até novembro, crime cresceu 29% em oito cidades

Estelionato faz 1,8 mil vítimas na Serra e preocupa policiais  Fernando_Ramos/Agencia RBS
Foto: Fernando_Ramos / Agencia RBS

Entre os índices da segurança pública até novembro de 2018, um alerta fica para a Serra: o aumento dos crimes de estelionato. Oito cidades da região aparecem entre os 60 municípios gaúchos com mais casos. Juntas, as cidades registraram 417 casos a mais do que no mesmo período do ano passado, o que representa um aumento de 29% nos índices. Os dados foram divulgados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública.

Leia mais:
"É uma frustração por ter sido enganada", diz jovem que caiu em golpe de casa na praia
Como funciona o golpe do conto do bilhete, que ainda faz vítimas

Caxias do Sul aparece como o segundo município que mais registrou estelionatos este ano, o que é compatível com sua população. O que preocupa é o aumento na comparação com o ano passado, de 48%. Recentemente, a Polícia Civil emitiu alerta sobre golpes do bilhete premiado, que vitimam em média três pessoas por mês, e do falso aluguel na praia, que tem alta com a chegada do verão.

O maior aumento nos índices, contudo, ocorreu em Nova Prata: 57%. A delegada Liliane Pasternak acredita que ter mais cautela e desconfiar de dinheiro fácil são suficientes para reduzir o número de vítimas.

— O índice está alto e a justificativa é a óbvia: as pessoas são muito ingênuas. Alertamos quase que semanalmente, mas se deixam enganar pelo golpe do bilhete. Também caem em compras de internet e locação de imóveis anunciados por redes sociais em um valor bem abaixo do mercado — diz a chefe da Polícia Civil em Nova Prata.

Pelo lado positivo, Bento Gonçalves registrou uma redução de 16% nos registros de estelionato na comparação com 2017. Foram 39 crimes a menos. Para o delegado Álvaro Becker, da 2ª Delegacia de Polícia da cidade, a diminuição vem das constantes coletivas de imprensa que a Polícia Civil convocou ao longo do ano para alertar a comunidade:

— Esta redução é pelos diversos avisos que fizemos durante o ano. É para as pessoas ficarem mais alertas. Só que muita gente continua caindo. As pessoas sempre acham que com elas não vai acontecer.

De acordo com Becker, o mais novo golpe faz vítimas nas redes sociais. Os estelionatários criam o perfil falso de uma mulher bonita e conversam com os alvos, que se apaixonam e começam a trocar fotos íntimas. Na sequência, um homem se apresenta como parente da mulher e afirma que ela é menor de idade, exigindo um pagamento para não denunciar a vítima à polícia.

— Já desbaratamos duas quadrilhas. A maioria (dos golpes) são feitos de dentro do presídio — aponta o delegado.

AS CIDADES
Caxias do Sul - 2º município com mais casos no Rio Grande do Sul até novembro
2018:
1.179
2017: 793
Diferença: 386 crimes a mais / aumento de 48%

Bento Gonçalves - 15º com mais casos no RS
2018:
206
2017: 245
Diferença: 39 crime a menos / redução de 16%

Farroupilha - 23º com mais casos no RS
2018:
123
2017: 105
Diferença: 18 crimes a mais / aumento de 17%

Vacaria - 37º com mais casos no RS
2018:
84
2017: 75
Diferença: 9 crimes a mais / aumento de 12%

Canela - 41º com mais casos no RS
2018:
72
2017: 57
Diferença: 15 crimes a mais / aumento de 26%

Gramado - 43º com mais casos no RS
2018:
71
2017: 76
Diferença: 5 crimes a menos / redução de 6%

Flores da Cunha - 57º com mais casos no RS
2018:
57
2017: 43
Diferença: 14 crimes a mais / aumento de 32%

Nova Prata - 60º com mais casos no RS
2018:
52
2017: 33
Diferença: 19 crimes a mais / aumento de 57%

Leia também:
Dois profissionais do novo edital do Mais Médicos em Caxias ainda não foram localizados
Polícia Civil apreende arma que teria sido usada em assassinato em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros