Funcionária de creche de Caxias do Sul pede na Justiça insalubridade por trocar fraldas - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Justiça do Trabalho09/11/2018 | 16h18Atualizada em 09/11/2018 | 16h22

Funcionária de creche de Caxias do Sul pede na Justiça insalubridade por trocar fraldas

TRT determinou pagamento de grau máximo, porém, ministros do TST foram contra o pedido

Funcionária de creche de Caxias do Sul pede na Justiça insalubridade por trocar fraldas Divulgação Pixabay/
Foto: Divulgação Pixabay
Pioneiro
Pioneiro

 O Tribunal Superior do Trabalho (TST) excluiu da condenação o pagamento de adicional de insalubridade para uma auxiliar de creche que trabalhava no Colégio São João Batista, em Caxias do Sul. A autora da ação alegou que trocava fraldas de bebês e que a atividade era considerada insalubre. A informação é da colunista Giane Guerra, de GaúchaZH.

Segundo a colunista, o pedido foi julgado improcedente já em primeira instância, mas no recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), ficou determinado o pagamento de adicional de insalubridade em grau máximo. O Colégio São João Batista recorreu, então, ao TST, que decidiu por unanimidade contra a condenação da instituição.

Para os ministros do TST, o contato com fezes e urina de crianças em creche não se equipara às atividades insalubres, como limpeza de banheiro com grande circulação de usuários ou de manipulação de substâncias infectocontagiosas em ambientes hospitalares. Essas situações, sim, gerariam o pagamento do adicional.

Leia também
Em 20 horas de cerco, BM prende sexto suspeito de assalto a bancos em Coronel Pilar
Nos primeiros oito dias de novembro, 13 agências são atacadas por quadrilhas no RS



 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros