Com foco nas facções, reforço quer evitar novo recorde de mortes em Bento Gonçalves - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Resposta12/09/2018 | 20h15Atualizada em 12/09/2018 | 20h39

Com foco nas facções, reforço quer evitar novo recorde de mortes em Bento Gonçalves

Com 34 assassinatos, 2018 já igualou o número de vítimas de 2017

Com foco nas facções, reforço quer evitar novo recorde de mortes em Bento Gonçalves Brigada Militar / Divulgação/Divulgação
PMs da Capital atuarão na Serra pelo "tempo que for necessário", afirma o CRPO Foto: Brigada Militar / Divulgação / Divulgação

Pelo quinto ano consecutivo, Bento Gonçalves deverá estabelecer um novo recorde de mortes por violência. A execução de Ivomar Alexandre Alves, 35 anos, na noite de terça-feira, foi a 34ª morte registrada em 2018, número que se iguala com todo o ano de 2017. Para responder a esta criminalidade e devolver a sensação de segurança, a Brigada Militar (BM) enviou reforço: 20 policiais militares do 1º Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Porto Alegre atuarão nos cinco bairros com maiores índices de movimentação criminosa.

Leia mais:
Policiais do BOE da Capital vão reforçar policiamento em Bento Gonçalves
Triplo homicídio é mais um capítulo do avanço do tráfico em Bento Gonçalves
Bento Gonçalves totaliza 30 assassinatos no ano e atinge violência histórica

O motivo do aumento dos homicídios é conhecido: o avanço das facções na Serra e a disputa por territórios para a venda de drogas. De acordo com a BM, 68% das vítimas possuía antecedentes criminais. Para o capitão Diego Caetano, se for considerado o envolvimento com drogas de vítima ou autor, este índice subiria para mais de 90% dos casos.

— Faz tempo que a BM relata a movimentação desta franquia de facção. Há, sim, uma grande relação com homicídios e outras tentativas (em que as vítimas sobreviveram). Os traficantes (que já existiam em Bento), para se defenderem, estão se unindo a outras facções. O aumento de mortes vem da disputa de poder entre estas organizações que querem coordenar os pontos de tráfico — explica o comandante da 1ª Companhia do 3º Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (3º BPAT).

— Temos o mapeamento e levantamento dos locais e horários onde ocorrem estes homicídios. Este pelotão vem com esta experiência de atuar em bairros com conflito de facções na Região Metropolitana. Eles serão uma aplicação cirúrgica — afirma o coronel Ricardo Cardoso, do Comando Regional de Policiamento Ostensivo (CRPO) da Serra.

A BM afirma que o reforço não tem data para terminar e que os policiais atuarão enquanto houver necessidade. Neste período, os 20 PMs também devem realizar operações pontuais em outras cidades da região, como Farroupilha e Caxias do Sul. Apesar da coincidência com o recorde de morte em Bento Gonçalves, o comandante do CRPO Serra afirma que o reforço já era planejado há meses:

— É semelhante ao que ocorreu em Caxias (no início de agosto) e, naquela época, ficou combinado. Queremos periodicamente trazer este reforço, com um número de policiais especializado e helicóptero de apoio, para desempenhar esta atuação qualificada — comenta o coronel Cardoso.

Leia também:
Réu é condenado por tentar matar adolescente em guerra do tráfico em Caxias do Sul
Polícia investiga dois estupros registrados no intervalo de cinco dias em Vacaria
Imagens mostram suspeito de matar taxista em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros