"É a vida que eles escolheram", lamenta tia de vítima de ataque a ponto de drogas em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Triplo homicídio10/07/2018 | 16h48Atualizada em 10/07/2018 | 17h07

"É a vida que eles escolheram", lamenta tia de vítima de ataque a ponto de drogas em Caxias do Sul

Dois homens e uma mulher foram executados com mais de 15 tiros

"É a vida que eles escolheram", lamenta tia de vítima de ataque a ponto de drogas em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A disputa pelo tráfico de drogas deixou mais três vítimas em Caxias do Sul. No início da tarde desta terça-feira, uma mulher e dois homens foram executados durante o ataque a um ponto de consumo de drogas no bairro Primeiro de Maio. As três vítimas eram usuárias de drogas e possuíam antecedentes policiais.

Conforme a Polícia Civil, o local é uma casa térrea em precário estado de conservação, sem portas e com diversos colchões úmidos espalhados. O acesso é por uma viela ao lado de um salão de beleza e uma residência da Rua Manuel de Almeida. A vizinhança confirmou que a casa abandonada era utilizada como ponto de consumo de drogas.

— Chegaram lá e deflagraram tiros contra quem encontraram. Pelo modo de operação, é um crime decorrente da disputa de território para venda de drogas. Se há envolvimento de facções, é cedo para determinar — aponta o delegado Rodrigo Duarte, da Delegacia de Homicídios.

Ainda no local do crime, familiares reconheceram Elisângela de Oliveira Macedo, 31 anos, conhecida como Gica, e Max Jean da Silva, 37, o Diabinho, como vítimas do ataque. O terceiro morto, conforme a Polícia Civil, seria Juliano Valério, 37, o Azulão.

— É a vida que eles escolheram: cadeia ou morte. Ele morava na rua. Não sabíamos mais nada da vida dele. Ficava nesses cafofos (esconderijos) — lamenta Tânia Silva, tia de Max Jean. Ela relata que o sobrinho começou a usar drogas ainda novo, por volta dos 13 anos, e foi perdendo os laços com a família enquanto acumulava passagens pela polícia.

Elisângela de Oliveira Macedo, Max Jean da Silva e Juliano ValérioFoto: Divulgação

O delegado Duarte estima que mais de 15 tiros de calibre 9mm foram efetuados no ataque. Moradores afirmaram que quatro homens encapuzados participaram do ataque. Há relatos sobre a participação de dois carros, um preto e outro cinza. Estas informações serão confirmadas durante a investigação da Delegacia de Homicídios.

O último triplo homicídio registrado em Caxias do Sul ocorreu no dia 20 de janeiro no bairro. A diferença é que a terceira vítima foi socorrida com vida e morreu no Hospital Pompéia 19 dias após o ataque. A execução de Elisa de Jesus, 46, seu companheiro Mario Roberto de Souza, 56, e Jackson Athaydes Rodrigues, 15, amigo de um filho da mulher, segue em investigação pela Polícia Civil. Neste caso, porém, a principal linha de investigação é que o crime tenha sido motivado por vingança.

Leia também:
Criminosos rendem motorista e levam carro no bairro Cristo Redentor em Caxias
Adolescente é detido com carro roubado em Caxias do Sul

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros