Marcos Kirst: na minha salada, não! - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião24/02/2020 | 15h12Atualizada em 24/02/2020 | 15h12

Marcos Kirst: na minha salada, não!

Precisamos saber nos municiar de instrumentos que preservem e protejam as convicções

Uma coisa a gente precisa aprender na vida, madama: defender, com unhas, dentes e tamancos, os nossos princípios norteadores de postura e de conduta pessoal. Precisamos saber nos municiar de instrumentos que preservem e protejam as convicções, os conceitos, as concepções, os ideais que vamos formatando ao longo de nossas existências e que traduzem a nossa forma única, pessoal, inequívoca e singular de sermos. Se eu sou eu e a madama é a madama, é porque alguns princípios e posturas minhas obedecem às nuances da vivência obtidas pela minha experiência pessoal. Já as da madama são as da madama e ninguém tem o direito de meter o taco, tampouco dar pitaco, nem mesmo um mundano cronista, menos ainda um de segunda. Respeitemo-nos em nossas convicções, e saibamos, nós mesmos, identificá-las e preservá-las. Mas, para isso, é preciso estarmos sempre alertas. Sempre alerta, madama minha!

Um exemplo, a senhora pede? Um daqueles concretos, que ajudam a ilustrar com fatos e feitos os ditos perfeitos? Sim, tenho um na manga, e bem recente. Lá vai. Tarde dessas, flagrei-me com meia hora de folga entre um compromisso e outro, dos tantos que abarrotavam minha agenda, no centro da cidade, e deparei com o dilema centenário: o que fazer? Municiado de um livro companheiro para todas as horas, tirei-o da pasta e nos dirigimos em comboio (livro, pasta e eu) até uma confeitaria posicionada no meio do caminho. Frente ao colorido e sedutor balcão das delícias, resisti bravamente ao apelo das coxinhas de frango, dos risólis, das empadas saborosas, das quiches quentinhas, das paradisíacas fatias de tortas, dos batalhões de quindins dispostos em ordem unida, dos tijolinhos lambuzantes de massa folhada, dos milk shakes brilhosos, das embarcações de banana split adornadas com tríades de bolotas sorvetais e... subitamente preocupado com minha saúde... peguei um singelo, saudável e leve copinho de salada de frutas!

Leia mais
Marcos Kirst: milagres na própria aldeia
Marcos Kirst: o que não vem por download

Orgulhoso de minha postura optante pelo equilíbrio da balança que habita meu banheiro, dirigi-me ao caixa. Antes de o atendente faturar o pedido, possuído que estava pelo demônio da tentação gulodícia, ele me perguntou: “o senhor gostaria de acrescentar chantilly ou sorvete à sua salada de frutas”? Ato reflexo, ao ser golpeado pela proposta, dei um passo atrás, atordoado, sem reação. Felizmente, recuperei rápido o autocontrole e consegui fazer o bom senso seguir predominando. “Não, obrigado”, respondi, e me afastei dali para uma mesinha, ainda chocado. Afinal, não é fácil defender o território sempre pantanoso das nossas convicções.

Leia também
Calor e descontração marcam o primeiro desfile da 14ª Fenavindima, neste domingo, em Flores da Cunha
Caixas de afetividade: frei Celso Bordignon mostra sua coleção de relicários e fala sobre memórias
Na folia com estilo: aprenda a fazer uma maquiagem e um penteado prático e rápido para curtir o Carnaval

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros