André Costantin: os pinheiros - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião13/02/2020 | 14h29Atualizada em 13/02/2020 | 14h29

André Costantin: os pinheiros

Senhor da Mata Atlântica, o pinheiro no Brasil foi uma grande floresta do mundo

André Costantin
André Costantin

andre@transe.com.br

Circulamos pela cidade, compramos pão, viajamos, mal nos equilibramos em duas pernas, em pensamentos e aflições, sem quase nunca saber que vivemos entre relíquias da pré-história, deuses verdes de quem ainda nem alcançamos extrair suas mitologias: os pinheiros.

Quando dermos o nosso adeus, enquanto vidas ou espécie, eles, os pinheiros – que sentiram o rumor dos dinossauros e as sucessivas eclosões na crosta da Terra –, continuarão aqui neste planeta, visitando novas eras.

Leia mais
André Costantin: monomania
André Costantin: campo minado

A Araucária, nosso “Pinheiro Brasileiro”, tem uma dezena de variações no hemisfério sul. Mas é sempre esse cálice dominante e indomável em busca do sol, abrindo as copas sobre a mata, ou na solidão das montanhas e dos campos. São heliófitas. Toda a sua arquitetura busca o Sol: o tronco reto, levando à altura os galhos arqueados para cima, as grimpas, os pinhões.

O nome Araucária se deve aos nativos Araucanos (Mapuches), dos Andes chilenos, que resistiram com bravura à conquista dos espanhóis. Árvore guerreira. Tente podá-la, domesticá-la – será em vão. Aqui, entre nossos ancestrais emigrados do velho mundo, foi medo e desbravamento, depois alimento, calor, madeira, morada, arte, sepultura.

Foi a Araucária, no sul do Brasil, uma epopeia humana – a machado e trator, dos operários mutilados aos barões do pinho. Vilas, cidades e regiões brotaram e morreram, outras vingaram, durante os ciclos da extração da madeira. E que madeira! Suave e resistente, branca de cerne vermelho – “puro cerno”, dizia o carpinteiro Aléssio, fazedor de casas, de Garibaldi a Caxias.

Centenas de quilômetros além, na Estrada do Mato Grosso, arredores de Curitiba, outros olhos, do ancião Idelar, viam pelas janelas de casa o cortejo dos caminhões de toras de pinheiro. Por décadas, desciam a serra, ao porto de Paranaguá. O "Ouro Verde" do Brasil sangrava em navios para New Orleans ou Amsterdam, indo tecer arquiteturas de madeira nos quatro cantos do mundo, desde as singelas casas caboclas de tábuas e mata-juntas de Vacaria às mansões da Lousiana e Mississippi.

Senhor da Mata Atlântica, o pinheiro no Brasil foi uma grande floresta do mundo. Agora, eis a Amazônia. Não apenas um inédito Museu da Araucária, mas uma rede de centros de memória e interpretação sobre o tema, poderiam nos contar essa história e alertar para o futuro imediato.

Quanto a mim, no que tenho sido feliz nesta vida, está o ritual de abrir as minhas janelas e ser o guardião passageiro de uma jovem araucária no pátio, de seus 90 ou 100 anos de idade.

Leia também
Rodrigo Hilbert esteve na Serra participando de sessão de fotos para grife masculina
Documentário "Tormenta" terá sessões neste fim de semana, em Caxias
Ária Trio abre a série "Concerto Interior" com apresentação neste domingo, em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros