Ciro Fabres: alunos em fúria - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião05/06/2019 | 07h00Atualizada em 05/06/2019 | 07h00

Ciro Fabres: alunos em fúria

Espetáculo triste.  Decorre da desvalorização contínua da escola pública e do professor

No que me diz respeito, toda minha educação formal deu-se em escolas e instituições públicas. Do antigo primário ao ensino superior. Foram escolas estaduais, essas tão desprezadas hoje em dia.  Desprezadas, sim. Não vamos usar meias palavras. Desprezadas por governos e pela sociedade.

Reverencio escolas públicas, o ensino público – e escolas estaduais em particular. Há um sentimento de gratidão a elas. Foram quatro anos no Grupo Escolar Demétrio Ribeiro, mais sete no Instituto de Educação Osvaldo Aranha. Escolas respeitáveis e respeitadas em Alegrete. Depois, veio a universidade federal, em Santa Maria, com o aparato e a estrutura pública para o ensino superior que já driblavam, desde então, a redução gradativa de recursos. Tratava-se de uma universidade federal clássica, dessas maltratadas e quase inviabilizadas por contingenciamentos anunciados com algum orgulho por parte do governo federal. “Vamos acabar com a balbúrdia”, foi o argumento ministerial. Tristeza.

Leia mais
Ciro Fabres: há 30 anos
Ciro Fabres: a vertigem e as dores

Lembro-me dos corredores, das salas de aula, da estrutura física das escolas lá do início, que retratava elementos arquitetônicos e espaciais indicativos de uma deferência da sociedade à escola pública. Um quarteirão inteiro só de escola no Osvaldo Aranha. Lembro dos professores, das equipes diretivas, da diretora Ana, que personificava a figura de uma diretora de escola. O corpo do magistério assumia certo distanciamento, certa postura, que era menos um aspecto negativo, de ser menos acessível, e mais uma valorização da categoria – o professor, a professora, alçados à condição que a função merece. Eram reconhecidos. Àquela época, Anos 60 e 70, ainda era possível distinguir resquícios de valorização e respeito à escola pública e ao professor. Talvez tenha convivido com o começo do declínio.

E esse declínio veio vertiginoso, até chegarmos ao “espetáculo” mostrado em vídeo gravado por um aluno em uma escola estadual de Carapicuíba, interior de São Paulo: alunos em fúria, praticando vandalismo dentro da sala de aula, classes voando, sem nenhum respeito pela escola e pela professora. Espetáculo deprimente, triste, nojento por seu simbolismo. Decorre da desvalorização contínua e prolongada da escola pública e do professor. Precisa reempoderar escola e professor, que hoje podem pouco. Não significa conferir poder imperial. Reempoderar é no sentido de a sociedade valorizar e reconhecer, como há muito não faz. Criou-se uma cultura entre muitos pais, de peitar professor. E o poder público não oferece valorização e estrutura. Valorização é salário mesmo, para início de conversa.

Aqui em Caxias, anos atrás teve ocupação de escola por melhores condições. Não houve apoio da sociedade. Assim temos tratado a educação. Alunos em fúria é um degrau a mais que descemos. Talvez chame atenção para onde já chegamos. Ou não.

Leia também
VÍDEO: veja o clipe "Recomeço", do rapper caxiense Robson Gomes
Documentário remonta morte dos irmãos Biondo, ocorrida em 1923 na Serra
Depois de ser autuado pela polícia, artista plástico fará intervenção artística em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros