Nivaldo Pereira: perfume musical - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião03/05/2019 | 15h09Atualizada em 03/05/2019 | 15h09

Nivaldo Pereira: perfume musical

A vibração musical também atinge a nossa pele desde a planta dos pés

Nivaldo Pereira: perfume musical Luan Zuchi/
Foto: Luan Zuchi
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

 Música é perfume, definiu a cantora Maria Bethânia, dando conta do imediato efeito sensorial dessa arte. A metáfora é perfeita. Como um odor que, ao invadir as nossas narinas, provoca instantâneas respostas físicas de prazer ou não, a música entra pelos ouvidos em ondas sonoras, chega ao cérebro e desperta reações igualmente corpóreas. A vibração musical também atinge a nossa pele desde a planta dos pés. Quem nunca se flagrou balançando um pezinho involuntariamente no ritmo de algum som? Por essas e outras, a música é uma arte que encontra forte sintonia com o sensorial signo de Touro.

Leia mais
Nivaldo Pereira: o corpo e as redes
Nivaldo Pereira: na firmeza do touro

No corpo, Touro rege a garganta. Por extensão, a voz e suas modulações são expressões do signo. No cenário musical internacional, há vozes aplaudidas por conjugar apuro técnico e emoção, como as das divas taurinas Ella Fitzgerald, Barbra Streisand e Adele. No Brasil, rainhas da canção como Angela Maria, Dalva de Oliveira e Nana Caymmi nasceram em Touro. E o signo da voz também estava forte nos mapas natais de fenômenos como João Gilberto (geminiano com Mercúrio e Vênus em Touro) e Elis Regina (pisciana com Lua e Vênus em Touro).

Quando não manda ver no gogó, é quase uma regra o taurino ter apurado ouvido musical. Ou ser um bom produtor de ritmos. Ou tudo junto, como o gênio Dorival Caymmi. Esse sensual e malemolente baiano trazia para suas canções o balanço da natureza, fosse o vento nas folhas do coqueiral ou o mar quebrando na praia, e o embalo do corpo no remexer das cadeiras da morena ou no mexer da colher de pau na panela do vatapá. Como um cheiro delicioso ativando o olfato, as canções de Caymmi são a pura graça de viver a nos entrar pelos ouvidos. Dom de Vênus, senhora das artes, dona de Touro.

No partilhar de suas experiências, Touro faz arte. Mapeia estradas no conhecer das manhas e das manhãs, no provar do sabor das massas e das maçãs, e vai tocando em frente, qual um velho boiadeiro. É o que canta o taurino Renato Teixeira: “Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais”. É ou não é uma canção “perfumada”?

Leia mais
Caxias do Sul ganha espaço gastronômico com pizzas napolitanas e exposições de arte
Orquestra de Garibaldi e gaitista Ale Ravanello apresentam concerto de blues e jazz neste domingo

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros