Área de lazer é depredada no bairro Serrano, em Caxias - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Vandalismo29/11/2018 | 07h00Atualizada em 29/11/2018 | 07h00

Área de lazer é depredada no bairro Serrano, em Caxias

Local usado por moradores teve parte da cerca do campo arrancada, pilares derrubados, vestiário invadido e fiação elétrica arrancada

Área de lazer é depredada no bairro Serrano, em Caxias Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Somente no último mês, uma área de lazer do bairro Serrano, em Caxias do Sul, teve parte da cerca do campo de futebol arrancada, pilares derrubados, o vestiário invadido e a fiação elétrica arrancada. O presidente da associação de moradores (Amob), Clovis Alves da Silva, registrou boletim de ocorrência relatando os crimes. 

Leia mais
Projeto na Praça em Caxias incentiva consumo consciente de energia

A área pública fica na Rua Anacleto Vidor e, além do campo de futebol e dos vestiários, conta com parquinho infantil, academia da melhor idade e pista de caminhada. O vendedor Diego Lucena, 27, morador do bairro, afirma que o homem responsável pela manutenção da área até a metade de outubro teria sido impedido de continuar o trabalho pela Amob. 

— Ele fazia a administração, comprava serragem para colocar no campo. Quando fizeram ele parar de ir lá, em quatro semanas ficou desse jeito — lamenta. 

O antigo responsável é o metalúrgico José Veloso, 50. Ele diz que começou a cuidar da área voluntariamente há cerca de três anos e desde 2017 fazia parte da diretoria da Amob. Para custear os materiais utilizados, Veloso ocupava parte de um dos vestiários para vender produtos e organizava torneios de futebol amador. 

— Para que me tirar se é para ficar assim? Denunciaram que eu estava vendendo uns refris, salgados, e o torneio que eu fiz, que era para custear os materiais, a higiene dos banheiros — aponta. 

No último torneio realizado, ocorreu uma briga. Foi o que motivou a Amob a passar a administração do campo para a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel), conforme Veloso. A partir daí, com o crescimento do mato, as pessoas teriam deixado de frequentar a área e a depredação teve início. De fato, no dia 16 de outubro a Smel recebeu ofício assinado pelo presidente do bairro.

—No início de outubro, a Amob nos procurou, dizendo que quem cuidava do campo estava fazendo atividades sem autorização, que estaria cobrando, vendendo bebida alcoólica. Sugerimos que não fosse vendido e não se fizesse o torneio. Nesse dia, houve uma briga generalizada, com boletim de ocorrência. Aí, indicaram outra pessoa. A partir daí, começaram atos de vandalismo — relata Mauricio da Fonseca, diretor de Esportes da secretaria.

O presidente do bairro, porém, diz que a manutenção vem sendo realizada. Na última semana, o campo foi roçado, os banheiros arrombados foram trancados e a associação busca recursos para substituir os equipamentos furtados. Ele diz que a responsabilidade do corte do mato fora do campo é da Codeca e o trabalho já foi solicitado. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 21/11/2018. Moradores do Serrano reclamam de abandono de área de lazer. José Veloso, 50, diz que fazia a manutenção do local por conta até ser impedido pela Amob e a prefeitura. (Porthus Junior/Agência RBS)
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O presidente da Amob estima em cerca de R$ 2 mil o prejuízo com os itens furtados e destruídos. 

— Foram roubados 100 metros de tela do campo, e semana passada o pessoal entrou nos vestiários, tiraram os chuveiros, a fiação. No dia 2 de dezembro, vamos tentar fazer um torneio de futebol 7 para tentar repor — diz Clovis Alves da Silva.

Segundo Clovis, as pessoas seguem frequentando o campo e a pista de caminhada normalmente, mas não há como manter uma vigilância 24 horas para evitar depredações. 

— Se tu ver ali durante a manhã, ou no final da tarde, está cheia a quadra. É aberto para o bairro. Ninguém quer um centavo para si, só que esteja em ordem. Para que não se termine, é o que nós temos. A gente está ali por um tempo, o espaço é de todos — aponta.

Sobre Veloso, ele explica que teria sido removido da associação por não aceitar documentar os valores que recebia para custear a área. 

— O campo é da prefeitura, qualquer doação para manutenção tem de ser documentada. Se uma equipe do Rizzo for jogar no Serrano com inscrição de R$ 200 o campeonato, tem de ter um recibo declarando que ele doou o valor para a manutenção no campo. Ele fazia um trabalho bom, mas não fazia essa parte, por isso saiu da direção da Amob — aponta.

Leia também
Recolhimento de lixo por contêiner saltará de 40% para 70% do volume, em Caxias
Após morte de ciclista, começa implantação de faixas compartilhadas na Júlio Calegari, em Caxias   

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros