Defensoria Pública deve pedir defensor de fora da cidade para autor confesso da morte de Naiara - Pioneiro

Versão mobile

 

Caso Naiara26/03/2018 | 16h53Atualizada em 26/03/2018 | 16h53

Defensoria Pública deve pedir defensor de fora da cidade para autor confesso da morte de Naiara

Oficialmente, Defensoria ainda não foi notificada sobre o caso da menina

Defensoria Pública deve pedir defensor de fora da cidade para autor confesso da morte de Naiara reprodução/Facebook
Juliano Vieira Pimentel de Souza, 31 anos, foi preso temporariamente na última quarta-feira Foto: reprodução / Facebook

A Defensoria Pública do Estado de Caxias do Sul estuda solicitar a designação de um defensor de fora da cidade para atuar no caso do rapto, estupro e morte de Naiara Soares Gomes, sete anos. O motivo é a repercussão e a comoção da comunidade sobre o caso.

Segundo a Defensoria, é possível, em casos como este, que o defensor designado peça a nomeação de um colega de outro município, o chamado defensor itinerante. 

Até esta segunda-feira, a Defensoria não havia sido intimada sobre o caso Naiara, e o autor confesso dos crimes, Juliano Vieira Pimentel de Souza, 31 anos, também não tinha advogado constituído, segundo a Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe). 

Leia mais:
Quem é o homem que confessou ter matado Naiara em Caxias do Sul
Caminhada em homenagem a Naiara é realizada neste sábado, em Caxias
Preso suspeito de envolvimento em rapto da menina desaparecida em Caxias do Sul
Vídeo: O que mostram as câmeras do caminho onde menina desapareceu em Caxias 

A Defensoria Pública foi notificada pelo judiciário apenas em função da prisão temporária pedida pela Polícia Civil e determinada pela Justiça em função do outro crime pelo qual Souza é investigado, o estupro de uma menina em outubro do ano passado. O processo corre em sigilo na 3ª Vara Criminal e, mesmo para as partes envolvidas, é preciso oficializar um pedido ao juiz para ter acesso aos documentos, o que, até o momento, não ocorreu.

Ainda conforme a Defensoria, o defensor público não teve contato com Souza nem com o depoimento prestado por ele à polícia. Também não houve manifestação ou requisição à Justiça por parte do defensor, que preferiu não comentar o assunto.

Sobre o caso da Naiara, o defensor público deverá ser notificado quando e se houver pedido de prisão ou quando e se houver denúncia contra Souza por parte do Ministério Público Estadual.

Por enquanto, ele segue preso em casa prisional da Região Metropolitana.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros