Procura por táxi e táxi-lotação é grande em Caxias do Sul  - Pioneiro

Versão mobile

Reflexões da Greve20/03/2017 | 09h54Atualizada em 20/03/2017 | 11h15

Procura por táxi e táxi-lotação é grande em Caxias do Sul 

Demanda acima do normal provoca confusões nas ruas

Procura por táxi e táxi-lotação é grande em Caxias do Sul  Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Devido a greve dos trabalhadores da Visate,  a média de passageiros dos táxis-lotação subiu para  25 a 30 pessoas por veículo Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Não poderia ser diferente. Com a greve dos funcionários da Visate, a procura pelos serviços de táxi e de táxi-lotação é muito grande em Caxias do Sul, na manhã desta segunda-feira. A demanda fora do comum produz situações inusitadas. Motoristas de táxi-lotação estariam sendo xingados pelo público por conta da demora e da falta de lugar nos veículos. Por isso, a associação que representa a categoria cogita recolher os 15 micro-ônibus disponíveis — outros seis que fazem parte do sistema não estão operando porque pertencem à Visate.

Leia mais: 
Com ônibus em greve, paradas ficam vazias na manhã desta segunda-feira, em Caxias
"Pago a multa do meu bolso, mas a greve está mantida", avisa presidente do Sindicato dos Rodoviários de Caxias

— Não tem como comparar com os outros dias. O veículo já lota em duas ou três paradas, o pessoal se joga para embarcar. Só que tem gente confundindo nosso trabalho com o da Visate, acham que temos culpa pelo que está acontecendo. Se continuar assim, vamos recolher os veículos para a garagem porque podemos ficar sem condições de trabalhar — alerta o gerente administração da Associação Caxiense Táxi-Lotação (ACTL), Anderson Krammer.

Em média, cada táxi-lotação transporta 20 pessoas. Hoje, a média é de 25 a 30 pessoas por veículo. Por precaução, a ACTL aumentou o tempo de intervalo entre os horários: passou dos habituais 13 minutos para 18 minutos. Com isso, o itinerário que antes levava 30 minutos para ser concluído, agora leva 45 minutos. Os trechos onde o atendimento está mais complicado ficam nas regiões do Aeroporto e do Cruzeiro.

— Não é prudente manter o mesmo ritmo com tanta procura — justifica Krammer.

Um dos táxis-lotação que faz o itinerário UCS, bairro Cruzeiro e passa pelo Centro, teve movimentação de passageiros fora do normal nos dois primeiros horários da manhã, conforme o motorista Daniel Alberto da Silva. Nos horários das 6h30min, com saída da UCS, e das 7h10min, no shopping Iguatemi, cerca de 40 pessoas passaram pelo micro-ônibus, em cada volta. Por volta das 10h, o volume de passageiros já havia diminuído consideravelmente.

— Normalmente, não temos tantos passageiros assim nesses horários da manhã. O pessoal comentava que já estava sabendo da greve desde a semana passada — comenta Silva.  

Os taxistas também estão sem folga. A Rádio-Táxi Coocaver já havia recebido 315 pedidos de corrida até as 8h45min desta segunda-feira. Num dia normal, o serviço varia entre 200 e 250 chamados em toda a manhã. A Coocaver convocou todos os funcionários que atendem os telefones para dar conta da demanda.

— Mais do que dobrou a procura. Tudo é reflexo da greve. Mas o o atendimento tem se mantido normal. Em média, o táxi leva de 5 a 10 minutos para pegar o passageiro — relata o diretor da Rádio Táxi Coocaver, José Carlos Borges Vieira.

Tanta gente querendo embarcar gera confusões e reclamações. Conforme Vieira, os passageiros combinam o local do embarque, mas outras pessoas veem o táxi e embarcam antes no veículo.

— Estamos orientando os taxistas a só embarcar o passageiro que informar o nome combinado com a Rádio — complementa Vieira.

O presidente do Sindicato dos Taxistas, Adail Bernardo da Silva, confirmou que toda a frota de táxi opera desde as 4h — são 316 veículos em Caxias. Boa parte dos profissionais circulou pelos bairros afastados do Centro no início da manhã, pois havia previsão de que esses locais seriam os mais prejudicados pela falta de ônibus. Segundo o sindicalista, são raros os motoristas que conseguem parar no ponto sem ser interpelado por pessoas nas ruas, por meio de aplicativos ou pelos serviços de rádio e telefone. 

— Está sendo um dia muito bom para os taxistas. A crise pegou forte e hoje ninguém está parado. No início da manhã havia fila de espera nos pontos de táxi— conta Silva. 

No ponto de táxi da Rua Dr. Montaury, quase esquina com a Praça Dante Alighieri, o taxista Luiz Alberto Mari, 55 anos, estava contente com o ritmo de trabalho das primeiras horas da manhã. Segundo ele, em média, das 6h às 8h, há duas solicitações de corrida em dias normais. Com a paralisação dos ônibus da Visate, o volume de chamados quase quadruplicou:

— Seria bom se continuasse assim. Fiz umas sete corridas. O pessoal pedia mais do bairro para o Centro. A maioria estava indo trabalhar — disse o taxista. 


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comJovens mortos em confronto com a Brigada em Caxias são identificados https://t.co/O9wOAOq5PP #pioneirohá 18 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comDupla rouba farmácia e foge em táxi, mas acaba presa em São Franciso de Paula https://t.co/vNA30xYcQx #pioneirohá 43 minutosRetweet
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros