Homem preso por colocar fogo em hospital é réu por assassinato em Caxias - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Fogo em hospital 02/04/2018 | 19h18Atualizada em 02/04/2018 | 19h21

Homem preso por colocar fogo em hospital é réu por assassinato em Caxias

Irritado com demora no atendimento, homem pôs fogo em hospital de Lajeado

Um homem que foi preso nesta segunda-feira por colocar fogo na recepção do pronto-socorro do Hospital Bruno Born, em Lajeado, já morou em Caxias do Sul e responde a processo pelo assassinato do senegalês Cheikh Tidiane, 28, morto a tiros em São João da 4ª Légua, no distrito de Galópolis, na noite de 25 de fevereiro de 2016.

Na noite do último domingo, conforme relatos de testemunhas, Jairo Procópio Oliveira Camargo estava revoltado com a demora no atendimento no hospital de Lajeado, cidade de onde é natural. Conforme a Delegacia de Pronto-Atendimento da cidade, ele estava irritado com o serviço já que estava com o filho pequeno há mais de duas horas no local. O homem saiu do hospital e retornou com gasolina. Ele pediu para que as pessoas se afastassem e colocou fogo na recepção do local.

Houve danos em um computador e parte da estrutura ficou danificada. Ninguém ficou ferido, mas a fumaça se espalhou, e os pacientes precisaram ser removidos. Camargo fugiu em seguida e foi preso no final da tarde desta segunda-feira em casa, no município de Lajeado.

Em março de 2016, Camargo havia sido indiciado pela morte de Tidiane em Caxias. A investigação da polícia concluiu que o senegalês foi morto em razão de uma dívida: o homem cobrava o conserto de uma moto que emprestou ao senegalês, que acabou se acidentando com o veículo. Não há data marcada para o julgamento do homicídio, que tramita na 1ª Vara Criminal de Caxias do Sul.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros