Quem é o homem que confessou ter matado Naiara em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Caso Naiara24/03/2018 | 12h34Atualizada em 26/03/2018 | 11h45

Quem é o homem que confessou ter matado Naiara em Caxias do Sul

Homem também confessou outro estupro ocorrido em outubro do ano passado

Quem é o homem que confessou ter matado Naiara em Caxias do Sul reprodução/Facebook
Juliano Vieira Pimentel raptou Naiara Soares Gomes no dia 9 enquanto ela caminhava em direção à escola Foto: reprodução / Facebook

Juliano Vieira Pimentel de Souza, 31 anos, preso na tarde da última quarta-feira e que confessou ter raptado, estuprado e matado Naiara Soares Gomes, 7 anos, que estava desaparecida desde o dia 9 deste mês em Caxias do Sul, é natural de Vacaria, mas morava já há anos em Caxias. Há cerca de seis meses mudou-se com a mulher para uma casa alugada no bairro Serrano - dois quartos, sala, cozinha e banheiro. Na garagem, guardava o carro comprado recentemente: um Palio branco, que norteou toda a investigação da Polícia Civil sobre o caso.

O aluguel no novo endereço foi tratado direto com os donos, "de boca" (sem contrato), e os R$ 400 sempre foram pagos rigorosamente em dia. Segundo a polícia, mantinha o mesmo emprego de operador de máquinas desde 2013, com conduta profissional irrepreensível.

— Era uma pessoa que tinha uma vida muito regrada no tocante ao trabalho, excelente servidor na empresa em que trabalhava. Desde 2013 trabalhava nesta empresa. Só a criminologia pode explicar o porquê dele pegar as meninas. São dois casos, mas não descartamos outros — disse o delegado regional da Polícia Civil, Paulo Roberto Rosa da Silva.

Leia mais
Caminhada em homenagem a Naiara é realizada neste sábado, em Caxias
Casa onde morava autor confesso de estuprar e matar Naiara é demolida em Caxias do Sul
Polícia deve indiciar autor confesso de morte de Naiara por estupro, homicídio e ocultação de cadáver
Susepe apreende celular que filmou oração por Naiara em presídio de Caxias do Sul
Vídeo: O que mostram as câmeras do caminho onde menina desapareceu em Caxias
Confira sete dificuldades da investigação sobre menina desaparecida em Caxias do Sul
Esclareça cinco mitos sobre o desaparecimento de menina em Caxias do Sul
Entenda por que a polícia não divulga o nome do suspeito de ter matado menina em Caxias do Sul
Conheça os principais pontos de Caxias que foram cenário do crime contra Naiara 
Vizinhos de suspeito de estuprar e matar menina em Caxias temem que revolta popular atinja comunidade   

À época do sumiço de Naiara, ele trabalhava das 17h às 2h. Na semana seguinte, conseguiu transferência para o turno diurno.

Sem suspeitas também era a vida dele em casa com a mulher e na comunidade — eles não têm filhos. Vizinhos relataram que era "uma pessoa trabalhadora".

— Nós ficamos apavorados. Estamos até agora. Nunca desconfiamos. Ele não demonstrava — disse uma moradora.

Ninguém percebeu movimento de crianças na casa onde ele mora. Tanto que crianças pequenas, filhos de vizinhos, frequentavam a moradia.

— Eu ia na casa com minha netinha conversar com a mulher, que gosta muito de criança. Até agora (quarta-feira), a gente não acredita — contou uma moradora da redondeza.

— Aparentemente, pessoa boa. Não via nele nada de diferente, que fosse maldoso. Mas, começa a passar um monte de coisa pela cabeça... que poderia ser minha filha. A gente não pode, realmente, confiar em ninguém — acrescentou uma vizinha que tem duas filhas, uma de oito e outra de um ano.

O proprietário de um estabelecimento próximo, do qual Souza era cliente, também afirma desconhecer detalhes sobre a vida dele. Ainda assim, comenta que pessoas que pegavam ônibus com o homem para ir ao trabalho passaram a suspeitar do seu comportamento nas últimas semanas.

— Ele vinha aqui (no estabelecimento), mas nunca entrou em detalhes sobre a própria vida. Parecia uma pessoa tranquila. Mas os caras que pegavam o ônibus com ele me contaram que ele estava agindo de um modo muito estranho e tinha até pedido para ser transferido de turno — relata.

Para os demais vizinhos, prevalecia o tom de surpresa, embora todos os abordados pela reportagem assegurassem pouco saber sobre a intimidade do autor confesso.

— Era bem discreto. Só víamos saindo ou chegando em casa ou fazendo trabalhinhos no próprio terreno, como cortar a grama. É chocante. Não imaginamos que uma pessoa dessas possa estar na porta ao lado — ressaltou outro empresário das imediações que preferiu não se identificar.

A mulher de Souza mudou para outro local e a casa onde morava o casal foi desmanchada por iniciativa dos donos na última sexta-feira. A polícia disse, à reportagem, que o imóvel havia sido liberado depois do levantamento feito ainda no dia da prisão. Em depoimento, a mulher falou que desconhecia os crimes confessados pelo marido.

Inicialmente, Souza foi levado para o Presídio Regional de Caxias, mas foi transferido no dia seguinte para uma outra penitenciária do Estado.

Segundo o delegado que conduz o caso, Caio Márcio Fernandes, "a ideia é fechar o inquérito anterior" sobre o abuso que ele confessou ter cometido em outubro do ano passado contra uma menina que à época tinha oito anos. 

— Mas, possivelmente, num prazo não muito distante um do outro, concluiremos também o da Naiara — disse o delegado. 

Ao concluir o primeiro procedimento, a polícia pedirá a prisão preventiva, o que deve garantir que ele fique preso até o julgamento.

Souza deve ser indiciado por estupro de vulnerável, homicídio qualificado (as qualificadoras ainda serão determinadas conforme a causa da morte) e ocultação de cadáver. A pena é aumentada por se tratar de vítima criança.

Após o caso de 2017, o Instituto-Geral de Perícias fez um retrato falado do suspeito com base na descrição da vítima. Porém, não houve denúncias a partir da divulgação, mesmo Souza tendo uma característica física peculiar, o estrabismo.

Após caso registrado em outubro, polícia divulgou retrato falado do então suspeitoFoto: Instituto Geral de Perícias / Divulgação

Leia também
Presença do prefeito Daniel Guerra no depoimento do processo de impeachment gera expectativa
Aumenta número de mortes por tuberculose em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros