Quase 400 apenados do semiaberto estão sem fiscalização em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro
 

Albergue interditado08/03/2018 | 09h30Atualizada em 08/03/2018 | 09h30

Quase 400 apenados do semiaberto estão sem fiscalização em Caxias do Sul

Reforma no Instituto Penal e criação de Central de Monitoramento são possibilidades

Quase 400 apenados do semiaberto estão sem fiscalização em Caxias do Sul Felipe Nyland/Agencia RBS
Delegada Marta Eliane Marim Bitencourt Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Um ano e sete meses após a interdição do Instituto Penal, também conhecido como albergue prisional, o futuro do regime semiaberto segue indefinido em Caxias do Sul. Sem as reformas apontadas pela decisão judicial que interrompeu o funcionamento do serviço  e com déficit de tornozeleiras eletrônicas, hoje, a cidade tem 387 apenados cumprindo pena em prisão domiciliar sem qualquer tipo de vigilância. É uma situação que amplia o sentimento de impunidade. A nova expectativa da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) é que avanços sejam anunciados somente no segundo semestre deste ano.

Leia mais:
Com albergue interditado, 322 apenados aguardam tornozeleiras eletrônicas em Caxias
De 96 apenados em prisão domiciliar fiscalizados, 74 não foram encontrados pela BM em Caxias
Apostando no monitoramento eletrônico, juíza indica a extinção do regime semiaberto

O Instituto Penal foi interditado no dia no dia 5 de agosto de 2016, por causa das precárias condições do prédio e o baixo número de agentes penitenciários, o que colocava em risco os trabalhadores e a comunidade do entorno. Atualmente, a casa é referência apenas para o trabalho administrativo e as celas estão desocupadas. Nesta semana, o prédio passa por uma limpeza por conta de um incêndio ocorrido em julho do ano passado, possivelmente causado por um problema elétrico. A administração da casa espera, em breve, receber as equipes do Instituto Geral de Perícias (IGP) e da Engenharia Prisional para os procedimentos necessários para liberação das celas.

Sobre as reformas exigidas pela Justiça para a desinterdição da casa, a delegada regional da Susepe Marta Eliane Marim Bitencourt afirma que a solicitação foi feita ainda em 2016. A demora ocorre por razões burocráticas.

— Estamos aguardando a reforma. Esperamos novidades para este ano, possivelmente no segundo semestre, mas ainda não podemos falar em data. É a nossa esperança e estamos em um esforço conjunto — resume a chefe da 7ª Delegacia Penitenciária Regional (7ª DPR), que tem sede em Caxias do Sul.

Conforme o setor de Engenharia Prisional da Susepe, a reforma do Instituto Penal é prioridade, mas ainda faltam elementos técnicos. A constatação é que o prédio precisa de uma reforma estrutural completa. Para isso, é necessária a confecção de projetos novos. Só depois disso é que poderá ser feita a planilha orçamentária e o processo de licitação.

— Estamos pensando (nas possibilidades). Não podemos terminar com as vagas que lá existem. A reforma, claro, não suprirá a demanda (são 120 vagas no atual prédio e 387 apenados ligados ao regime semiaberto). Já apontamos a necessidade de uma nova construção para semiaberto e estamos em busca de alternativas — aponta a delegada Marta.

Leia também:
'Monitoramento é boa opção ao sistema tradicional do semiaberto', opina agente da Susepe
Promotor de Caxias do Sul aponta que substituição do semiaberto por tornozeleiras é uma solução ilegal  

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros