Procon de Caxias proíbe loja de vender celulares após consumidores não receberem aparelhos - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Suspeita de fraude14/03/2018 | 14h52Atualizada em 14/03/2018 | 15h24

Procon de Caxias proíbe loja de vender celulares após consumidores não receberem aparelhos

ZM Celulares não poderá comercializar nenhum produto até que origem da mercadoria seja comprovada e consumidores ressarcidos

Procon de Caxias proíbe loja de vender celulares após consumidores não receberem aparelhos André Fiedler/Agência RBS
Medida vai vigorar até que a origem lícita da mercadoria seja comprovada e haja alguma compensação por parte da loja aos consumidores. Foto: André Fiedler / Agência RBS

 O Procon de Caxias do Sul proibiu a loja ZM celulares de comercializar celulares e qualquer outro produto. A medida cautelar foi cumprida na manhã desta quarta-feira com a colocação de cartazes na sede do estabelecimento, na área central.

Leia mais:
Saiba qual a justificativa de loja que vendeu e não entregou celulares em Caxias do Sul
Loja que vende celular com preço abaixo do mercado é investigada em Caxias do Sul
Polícia faz busca e apreensão em loja que vendia celulares com preço abaixo do mercado em Caxias

A loja é investigada por possível fraude na venda de iPhones, que eram oferecidos a preços bem abaixo do mercado. A suspeita surgiu após dezenas de pessoas não receberem os aparelhos pelos quais já haviam pago.

Segundo o coordenador do Procon, Luiz Fernando Del Rio Horn, a medida vai vigorar até que a origem lícita da mercadoria seja comprovada e haja alguma compensação por parte da loja aos consumidores.

— O Procon quer trabalhar na restituição dos prejudicados, porque tudo indica que seja fraude. Não existe milagre. Esse produto é tabelado no mercado brasileiro — alerta.

O órgão de defesa do consumidor aguardava uma ação da Polícia Civil antes de cumprir a medida cautelar. E a operação dos investigadores ocorreu nesta terça com uma busca e apreensão no estabelecimento.

Além de entender os motivos pelos quais os consumidores não receberam os aparelhos, a polícia, o Procon e o Ministério Público querem descobrir porque os preços eram tão baixos, a origem destes produtos e se eles existem.

A reportagem de GauchaZH esteve na loja na manhã desta quarta, mas a proprietária disse que se manifestaria somente nesta quinta na presença do advogado.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros