Polícia tenta desvendar assalto em mansão em Flores da Cunha - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Investigação07/03/2018 | 18h03Atualizada em 07/03/2018 | 20h43

Polícia tenta desvendar assalto em mansão em Flores da Cunha

Dupla de ladrões fez quatro pessoas reféns e fugiu levando joias da família

Polícia tenta desvendar assalto em mansão em Flores da Cunha Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Está nas mãos da delegada Aline Martinelli da Polícia Civil a tarefa de tentar desvendar quem foram os criminosos que entraram em uma mansão de Flores da Cunha, fizeram reféns quatro pessoas e fugiram levando joias e um carro de luxo. Sem dar detalhes para não atrapalhar as investigações, a delegada diz se tratar de um caso difícil e que, até o momento, não tem suspeitos identificados.

Leia mais:
Flores da Cunha está em alerta contra a migração de criminosos

O crime ocorreu entre a noite do dia 11 e a madrugada de 12 de fevereiro. Dois homens armados renderam um vigilante, que fazia a segurança da casa, que fica na área central da cidade, entraram no imóvel e fizeram reféns os moradores – um casal de idosos – e uma funcionária. Ninguém ficou ferido. 

Depois de ficar algumas horas dentro da casa, a dupla trancou os reféns em um cômodo e fugiu levando equipamentos e a arma do vigilante, uma quantidade não divulgada de joias da família e um Audi do proprietário. O carro foi encontrado abandonado horas de depois no interior do município. A Brigada Militar foi acionada e isolou a área no entorno da residência para trabalho da perícia. 

Por terem conseguido vencer o aparato de segurança – câmeras de monitoramento e vigilância privada armada – que protege a mansão, a delegada acredita se tratar de grupo especializado nesse tipo de roubo.

– Estamos trabalhando com algumas teses. Em razão de como foi praticado (o roubo) acreditamos que eles (ladrões) possam ser de uma quadrilha especializada em assaltos a residências de luxo – ponderou a delegada.

Além disso, a possibilidade é de que os criminosos trabalhem com roubo de joias, que seriam enviadas para fora do Estado, acredita a delegada.

A polícia já analisou as imagens do sistema de segurança da residência. Porém, segundo a delegada Aline, a dificuldade é identificar, entre as inúmeras pessoas que passam pelo local, um possível suspeito que estivesse analisando ou monitorando a moradia antes da prática do crime.

Leia também:
Júri condena homem que assaltou mercado e atirou contra PM em Caxias do Sul
Bento Gonçalves registra média de 14 casos de maus tratos a animais por mês
Entidade que representa passageiros discute nova concessão do transporte coletivo de Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros