Morte de terceira vítima de ataque em Caxias torna o caso triplo homicídio - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Violência09/02/2018 | 09h17Atualizada em 09/02/2018 | 09h18

Morte de terceira vítima de ataque em Caxias torna o caso triplo homicídio

Mario Roberto de Souza, 56, morreu na noite desta quinta-feira depois de 19 dias no hospital

Morte de terceira vítima de ataque em Caxias torna o caso triplo homicídio Maristela Deves/Agencia RBS
Foto: Maristela Deves / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Com a morte de uma terceira vítima, na noite desta quinta-feira, o ataque ocorrido a uma residência do bairro Reolon, em Caxias do Sul, na madrugada do dia 20 de janeiro, passou a ser um triplo homicídio. Baleado na ação dos criminosos, Mario Roberto de Souza, 56, estava internado há 19 dias no Hospital Pompéia, onde morreu por volta das 21h desta quinta.

Além de Souza, no dia do ataque morreram Elisa de Jesus, 46 anos, que era a dona da casa e companheira de Souza, e Jackson Athaydes Rodrigues, 15, conhecido da família.

Leia mais:
Após duplo homicídio, Polícia Civil de Caxias acredita que alvo de facção era outra pessoa

Durante a ação, antes de ser baleado, um adolescente salvou uma criança de cinco anos escondendo-a dentro de uma casinha de cachorro. Esse adolescente sobreviveu.

A Delegacia de Homicídios segue investigando o caso. A Polícia Civil acredita que os mortos e feridos no ataque não eram os alvos dos assassinos.

Lembre o caso:

Duas pessoas foram assassinadas e outras duas ficaram feridas quando criminosos atacaram a casa no bairro Reolon na madrugada de 20 de janeiro deste ano. Uma criança de cinco anos foi escondida por um parente na casinha de cachorro, no pátio da residência, e sobreviveu. As vítimas foram baleadas e a casa incendiada.

Naquele dia morreram Elisa de Jesus, 46 anos, e Jackson Athaydes Rodrigues, 15 anos, amigo da família. Nesta quinta, morreu Mario Roberto de Souza, 56, companheiro de Elisa. Também foi ferido na ação um jovem de 17 anos, filho de Elisa.

Leia também:
"Os criminosos subestimaram o poder de fogo da Serra", afirma capitão da BM em Bento Gonçalves
Estradas da Serra terão seis dias de fiscalização intensa no feriadão de Carnaval


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros