Em Caxias do Sul, sete em cada 10 ligações para emergência são trotes  - Polícia - Pioneiro

Serviços02/01/2018 | 13h02Atualizada em 02/01/2018 | 13h46

Em Caxias do Sul, sete em cada 10 ligações para emergência são trotes 

Juntos Brigada Militar, Samu e Bombeiros contabilizaram 224.193 ligações indevidas em 2017

Em Caxias do Sul, sete em cada 10 ligações para emergência são trotes  Divulgação/
Foto: Divulgação

Bastaram alguns minutos na Central de Regulação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Caxias do Sul para presenciar algo que já faz parte da rotina dos auxiliares de regulação que atendem as chamadas para o 192. O telefone toca, a atendente diz alô repetidas vezes, mas, no outro lado da linha, apenas rumores de uma conversa que segue alheia à ligação. Provavelmente, a pessoa tenha colocado um número de atalho para a chamada de emergência e a tenha acionado sem querer. Esse tipo de engano acontece com regularidade também com a Brigada Militar (BM) e com o Corpo de Bombeiros. Mas esse é somente um dos tipos de ligações indevidas que esses serviços recebem dezenas de vezes diariamente. Muitas outras são resultado de atitudes de má-fé.

Juntos, a BM, os Bombeiros e o Samu contabilizaram 224.193 ligações indevidas até a manhã do dia 28 de dezembro de 2017, considerando trotes, enganos e pedidos de informações alheios ao serviço. O número representa 76,7% do total de 292.274 ligações. De forma geral, são crianças ou adolescentes em horários de entrada ou saída da escola discando de telefones públicos.

A BM é a que mais sofreu com o problema. Mais de 88,5% das chamadas foram indevidas. Ou seja, em torno de 11,5% foram ocorrências a serem atendidas, de fato. Os dados se referem às ligações para o 190, da BM, e para o 193, do 5º Batalhão de Bombeiros Militar, que, até março de 2017, eram contabilizadas juntas na sede do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL 29/12/2017Central de comunicações do CIOSP. (Felipe Nyland/Agência RBS)
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Para tentar reduzir esses tipos de ligações, o 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM) lançou a campanha "Trote é Crime, ligue 190 apenas em casos de emergência". O material publicitário – vídeo, áudios, anúncios, cartazes, painel frontlight – foi todo feito por meio de parcerias, da produção à divulgação. O apelo coloca o telefone, representado por um celular, como uma arma que, nas mãos de quem passa o trote, congestiona linhas, atrapalha o trabalho e pode tirar a chance de socorrer pessoas e de evitar crimes.

– A ideia é ser mesmo impactante. Para que a pessoa pense antes de ligar para o 190. Esperamos uma redução em torno de 30% nas ligações indevidas – acredita o comandante do 12º BPM, major Jorge Emerson Ribas.

Para o major, a explicação pode estar no fato de, por funcionar 24 horas nos sete dias da semana, o 190 ser referência para a população na hora de obter uma informação.

– O 190 é conhecido em todo o país. É o número que está na cabeça das pessoas e no inconsciente coletivo – justifica.

Viaturas deslocadas sem necessidade

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL 29/12/2017Central de comunicações do corpo de bombeiros. (Felipe Nyland/Agência RBS)
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Entre março e agosto, os bombeiros ficaram sem tabular os dados e, a partir de setembro, passaram a atender ao 193 na sede da corporação. Contudo, diferentemente dos demais serviços, nos bombeiros não são computadas as ligações indevidas, somente os trotes que geram deslocamento de viaturas para atendimentos falsos. Estes, foram seis em 2017.

Segundo os órgãos de segurança, os trotes podem ser considerados crimes com base em dois artigos do Código Penal: o 266, que trata da interrupção do serviço e estabelece pena de detenção, de um a três anos, e multa, e o 340, que fala sobre a comunicação falsa de crime ou contravenção e tem previsão de detenção de um a seis meses, ou multa.

TEMPO E TRABALHO DESPERDIÇADOS
Samu
*
z Total de ligações em 2017*: 110.914
z Atendimentos de fato: 32.445 (29,25%)
z Trotes: 12.185 (11%)
z Pedido de informações: 25.246 (22,76%)
z Engano: 27.313 (24,63%)
z Ligações interrompidas: 9 mil (8,11%)
z Repetidas chamadas para um mesmo fato: 1.521 (1,37%)
z Ligações fora da área de abrangência: 264 (0,24%)
z Quando o sistema atende a ligação, mas a pessoa fica na fila e acaba desligando: 2.395 (2,16%)
z Quando a pessoa desliga antes de ser atendido pelo sistema: 545 (0,49%)
*Até a última quinta-feira, dia 28, pela manhã

Brigada Militar**
z Total de ligações ao 190 em 2017: 180.085
z Ocorrências: 20.642 (11,46%)
z Trotes: 42.450 (23,57%)
z Pedido de informações: 67.498 (37,48%)
z Enganos, ligação interrompida e público interno: 49.495 (27,48%)
**Até final de outubro deste ano

Bombeiros***
z Total de ligações ao 193 que geraram atendimentos em 2017*: 1.275
z Ocorrências atendidas: 1.232
z Trotes: 6
z Cancelamento de ocorrências em andamento: 37
***Até a última quinta-feira, dia 28. Os bombeiros não contabilizam os trotes a partir de ligações que não se tornam atendimentos efetivos, consideram o trote a saída da equipe para atender a um chamado falso

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros