Dois investigados confirmam que ataque a ônibus, em Caxias do Sul, foi uma retaliação - Polícia - Pioneiro

Atentado01/12/2017 | 17h25Atualizada em 01/12/2017 | 17h25

Dois investigados confirmam que ataque a ônibus, em Caxias do Sul, foi uma retaliação

Três homens foram indiciados por roubo e por três tentativas de homicídio

Dois investigados confirmam que ataque a ônibus, em Caxias do Sul, foi uma retaliação Paulo Trevisan/Arquivo pessoal
Foto: Paulo Trevisan / Arquivo pessoal

A investigação referente ao incêndio de um ônibus em Caxias do Sul, que deixou duas passageiras e motorista feridos, resultou no indiciamento de três pessoas. O inquérito será encaminhado pela Delegacia de Furtos, Roubos e Capturas (Defrec) à Justiça nesta sexta-feira (1°).

Leia mais
"Foi um fato isolado e extremamente malsucedido", diz delegado sobre ônibus queimado em Caxias
Baixa escolaridade e reincidentes: o perfil dos envolvidos no ataque a ônibus da Visate em Caxias
Comandante do 12º BPM de Caxias acredita em relação entre incêndio a ônibus e mortes no Primeiro de Maio

Na noite da última sexta-feira (24), o coletivo foi parado no bairro Jardim América. Os criminosos entraram no ônibus carregando garrafas pet com combustível. Eles anunciaram o assalto e atearam fogo ao ônibus. As duas passageiras e o motorista que estavam no ônibus e sofreram queimaduras. As mulheres foram medicadas e tiveram alta ainda na sexta. O motorista segue hospitalizado. 

Na sexta, policiais militares prenderam Alef da Silva, 24, e Luis Felipe Freitas de Souza, 20 anos. Na terça-feira (28), um terceiro suspeito foi detido por PMs. Ele estava com uma arma. O homem detido é Jackson Clark da Rosa, 24 anos. Ele e os dois presos na sexta estão sendo indiciados pelo ataque ao ônibus.

De acordo com o delegado da Defrec, Adriano Linhares, o indiciamento é por roubo e também por três tentativas de homicídio. Para a polícia, o ataque teve dois objetivos — retaliação e roubo. A retaliação porque dois deles afirmaram que agiram devido ao confronto com a Brigada Militar que teve quatro suspeitos mortos no bairro Primeiro de Maio — na mesma região em que o ônibus foi atacado — naquela semana. Eles, no entanto, negaram qualquer ligação com facções criminosas. A outra motivação foi o assalto aos ocupantes do coletivo.

O delegado ressalta que, inicialmente, o caso era tratado como roubo com lesões. Ao longo da semana, porém, a polícia concluiu que houve a tentativa de matar.


tentFrom:cms -->
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros