Vereadores apontam falta de vontade para renovar convênio do policiamento comunitário em Caxias - Polícia - Pioneiro

Município x Estado19/09/2017 | 20h13Atualizada em 19/09/2017 | 20h13

Vereadores apontam falta de vontade para renovar convênio do policiamento comunitário em Caxias

Parlamentares citam o exemplo de Marau para cobrar uma providência urgente da prefeitura

Vereadores apontam falta de vontade para renovar convênio do policiamento comunitário em Caxias Greice Demoliner Tedesco / Divulgação/Divulgação
Foto: Greice Demoliner Tedesco / Divulgação / Divulgação

O exemplo de Marau, no Norte do Estado, foi utilizado por vereadores de Caxias do Sul para cobrar uma providência urgente da prefeitura sobre o policiamento comunitário. Na semana passada, encerrou um dos três convênios em que a Secretaria Municipal de Segurança Pública repassava um auxílio-moradia para que policiais militares residam nas comunidades de atuação. Os parlamentares entendem que a  situação vai na contramão da vontade da população caxiense e que uma solução depende apenas de vontade política.

Leia mais
Prefeitura de Caxias ainda aguarda resposta do Estado sobre policiamento comunitário
PMs comunitários de Caxias do Sul podem não mais morar em suas comunidades de atuação
"Queremos que o Estado dê prosseguimento, mas assumindo tudo", diz secretário
"O programa é da BM e do Estado e continuará existindo", garante comandante-geral

No encontro da tarde desta terça-feira, a Comissão Especial para o Enfrentamento da Violência ponderou que há formas do município buscar uma solução para manutenção da parceria com a Brigada Militar (BM). A prefeitura de Marau, por exemplo, sancionou uma lei para resolver os empecilhos legais e manter o repasse via Conselho Comunitário Pró-Segurança Pública (Consepro). A solução daquele município foi classificada como temerária pelo secretário municipal José Francisco Mallmann.

Para a presidente da Comissão, vereadora Paula Ióris (PSDB), o encontro foi positivo porque, pela primeira vez, a prefeitura foi clara em afirmar seu posicionamento, que é o de repassar os recursos diretamente para o Estado, sem a intermediação de terceiros. A Comissão pretende fazer o "meio de campo" e estabelecer com o Estado uma rúbrica que dê segurança que os valores repassados retornarão para a BM de Caxias.

— A comunidade não quer ficar sem o policiamento comunitário e cobramos da administração uma iniciativa de buscar uma adequação. Fazemos nosso papel de interferir neste impasse (entre município e Estado). Queremos identificar o que está acontecendo — argumenta Paula.

A preocupação dos vereadores é com a estagnação do processo, que prejudica a comunidade que sofre com a insegurança. A prefeitura, no entanto, mantém o discurso de aguardar uma resposta do governo estadual e lembra do ofício enviado em 17 de julho, que segue sem resposta.

— Me dá a impressão que o Estado não quer. Esta é a impressão. O problema parte do governo estadual. É uma questão de gestão. Queremos pagar direto, mas eles têm que dizer a forma. Estamos aguardando — salienta Mallmann.

O secretário municipal ainda afirma que o convênio não foi encerrado na semana passada, apenas que o prazo venceu. Desta forma, o contrato pode ser renovado a qualquer momento. Mallmann, no entanto, não confirma que o município pagará o retroativo caso os brigadianos continuem a cumprir sua parte no convênio. O secretário afirma que a questão depende de uma análise jurídica.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros